A política estável dos Emirados Árabes Unidos promove um ambiente favorável à criptografia nos EUA, afirma o CTO da Komodo

0
36

O executivo da Komodo disse que os Emirados Árabes Unidos estão fazendo muito mais do que os EUA para facilitar a adoção da criptografia, apoiando as empresas.

Kadan Stadelmann, diretor de tecnologia da plataforma de criptografia e blockchain Komodo, acredita que os Emirados Árabes Unidos (EAU) apoiam muito mais o setor de criptomoedas do que os Estados Unidos. Stadelmann diz que isto ocorre porque os Emirados Árabes Unidos são mais estáveis ​​politicamente, permitindo que estas empresas tenham um bom desempenho.

CTO da Komodo elogia a monarquia dos Emirados Árabes Unidos e a baixa taxa de criminalidade

Numa entrevista recente à CryptoNews, Stadelmann disse que um dos principais pontos a favor dos Emirados Árabes Unidos é a sua monarquia, que permite a estabilidade política. Ele também disse que isto elimina os gargalos criados pelas mudanças políticas iniciadas pelos governos sucessivos numa democracia.

Além da estabilidade política e da monarquia, Stadelmann especificou que o governo dos Emirados Árabes Unidos está tomando medidas deliberadas para tornar o clima criptográfico favorável. As empresas que oferecem serviços de criptografia são livres para solicitar licenças de Provedor de Serviços de Ativos Virtuais (VASP) da Autoridade Reguladora de Ativos Virtuais (VARA) do país. Nos últimos meses, várias empresas receberam com sucesso licenças VASP do governo. Em abril, Binance e Crypto.com receberam licenças completas de criptografia da VARA, enquanto Deribit obteve uma licença VASP condicional. A Deribit também está transferindo sua sede para Dubai.

Stadelmann acrescentou que a baixa taxa de criminalidade nos EAU cria um ambiente seguro para o crescimento empresarial e elogiou as leis decisivas do país contra o crime.

O executivo da Komodo acusou pessoas em posições de autoridade de decepcionar a indústria de criptografia. Como resultado do ambiente desfavorável, vários projetos de criptografia estão transferindo seus negócios dos EUA para os Emirados Árabes Unidos, Europa, América Latina e Sudeste Asiático, visando jurisdições bem-vindas. Ele explicou:

“Acredito que eles precisam do envolvimento de especialistas do setor, com todo o respeito. Mas acredito que é isso que acontece quando um bando de boomers e novatos tentam regular algo que eles literalmente não entendem.”

Os EUA devem conter a fuga de cérebros criptográficos

De acordo com Stadelmann, os EUA possuem uma vasta experiência em blockchain que os reguladores podem aproveitar. O conhecimento pode então ser integrado em regulamentações aplicadas que apoiam a inovação, protegem os investidores e reprimem o uso ilegal da tecnologia. Ele diz que as autoridades devem repensar a abordagem actual para encontrar métodos mais equilibrados, ou as pessoas continuarão a abandonar o país.

“Depois de anos de luta dentro da camada regulatória, você simplesmente se cansa disso. E é aí que estamos.”

Com sede em Amsterdã, Stadelmann agora planeja se mudar para os Emirados Árabes Unidos à medida que a hostilidade criptográfica aumenta na Holanda. Atualmente, também existem diversas empresas de criptografia saindo do país pelo mesmo motivo. No ano passado, a importante exchange de criptomoedas Binance anunciou sua decisão de deixar o mercado holandês porque não conseguiu obter uma licença VASP. Alguns meses depois, a Gemini também deixou a Holanda devido a requisitos regulamentares impostos pelo De Nederlandsche Bank (DNB), o banco central holandês. Em comunicado aos usuários, Gemini manifestou interesse em retornar à Holanda. A bolsa observou que trabalhará para cumprir as regras da UE sobre criptografia, conforme estabelecido no Regulamento de Mercados de Criptoativos (MiCA).

próximo

Notícias Altcoin, Notícias sobre criptomoedas, Notícias

Fonte: www.coinspeaker.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here