Parlamento da UE adota leis antilavagem de dinheiro que regulamentam o Bitcoin com base em suposições questionáveis

0
72

O Parlamento Europeu adotou um novo pacote legislativo AML que aumenta os requisitos de comunicação dos prestadores de serviços de criptoativos (CASPs) ao enviar e receber pagamentos “anónimos” entre carteiras auto-hospedadas e prestadores de serviços de custódia, além de limites às transações em numerário e ao estabelecimento de uma agência de “vigilância central”, que desenvolverá normas técnicas regulamentares.

De acordo com as novas leis, os CASPs da UE terão de realizar a devida diligência do cliente em transações originadas de carteiras de autocustódia para transações abaixo de 1.000 EUR e implementar medidas KYC adicionais para transações acima de 1.000 EUR. As leis regulam ainda mais a operação de provedores de serviços de software de custódia sem KYC e o uso de moedas de privacidade, proibindo efetivamente os CASPs de oferecer ativos de privacidade. Os fornecedores de software e hardware com autocustódia estão isentos dos regulamentos.

A resolução, aprovada pelo Parlamento Europeu na quarta-feira, assume que “[t]O anonimato associado a certos produtos de dinheiro eletrônico os expõe a riscos de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo” e “[t]O anonimato dos criptoativos os expõe a riscos de uso indevido para fins criminosos.”

Embora os legisladores pareçam não ter problemas em atribuir números à actividade global de branqueamento de capitais na proposta original – variando entre 2-5% do PIB global – bem como às suas próprias ineficiências – quase 99% dos lucros criminosos escapam ao confisco – aqueles que procuram números que corroboram “o uso crescente de criptoativos (como Bitcoin) para fins de lavagem de dinheiro” ficam com um link para a Investopedia, explicando o que é Bitcoin.

Todo mundo sabe: a criptografia é para lavadores de dinheiro. Mas alguém pode provar isso?

Com o novo pacote legislativo, os quadros ABC/CFT da UE são atualizados para se alinharem com as recomendações atualizadas emitidas pelo Grupo de Ação Financeira – um organismo intergovernamental criado pelo G7 em 1989 para combater o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo.

De acordo com os procedimentos do GAFI, as recomendações do GAFI são baseadas em avaliações de LBC e CFT realizadas pelos órgãos regionais do GAFI (FSRBs), pelo FMI e pelo Banco Mundial para “produzir relatórios objetivos e precisos de alto padrão em tempo hábil”, “[e]garantir que existam condições de concorrência equitativas, em que os relatórios de avaliação mútua (RAM), incluindo os resumos executivos, sejam consistentes, especialmente no que diz respeito às conclusões, às recomendações e às classificações” e “[e]garantir que haja transparência e igualdade de tratamento, em termos do processo de avaliação, para todos os países avaliados.”

O último relatório anual do FSRB 2021 da UE, divulgado em abril de 2023, realizado pelo MONEYVAL da Comissão Europeia, abre com uma introdução do presidente, que destaca que “É bem sabido que os lavadores de dinheiro têm abusado de criptomoedas desde o seu início, há uma década, inicialmente para transferir e ocultar rendimentos do tráfico de drogas. Hoje em dia, seus métodos estão se tornando cada vez mais sofisticados e em maior escala.”

Mas o relatório do MONEYVAL parece não conseguir apoiar as suas afirmações com dados suficientes, apenas registando o progresso na implementação da regulamentação dos activos virtuais. O relatório destaca que “um estudo de tipologias de 2022 será dedicado exclusivamente às tendências de lavagem de dinheiro com criptomoedas”, sugerindo que tal estudo não existia no momento da redação deste artigo.

O relatório de tipologias MONEYVAL sobre os riscos de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo no mundo dos ativos virtuais também parece não dar respostas conclusivas sobre a importância das criptomoedas nos esforços de LBC/CFT; Em vez disso, analisa a aplicação e a eficácia dos regulamentos ABC existentes através de grupos de trabalho.

Nomeadamente, o relatório de tipologias afirma que “a nível nacional, a análise de risco do sector depende fortemente das respostas recebidas pelas autoridades do próprio sector privado, com muito pouca acção tomada no sentido da verificação dos factos por parte do supervisor”. Observa ainda que as avaliações de risco “faltam de profundidade”.

O último relatório do FMI sobre políticas para ativos criptográficos faz declarações semelhantes, sugerindo uma falta de dados verificáveis ​​sobre os riscos das criptomoedas no financiamento do terrorismo, no combate ao dinheiro e no abuso financeiro, afirmando que “tais impactos não foram estudados especificamente em relação às criptomoedas”. ativos”. Um novo relatório do FMI divulgado esta semana, que tenta analisar os fluxos transfronteiriços de Bitcoin, afirma que “medir os fluxos transfronteiriços de Bitcoin é um desafio e atualmente só é possível com uma série de suposições não triviais”.

O relatório de estabilidade financeira global de 2024 do FMI, por outro lado, cita dados específicos, mas coloca a quantidade total de criptoativos recebidos por hackers ransomware em aproximadamente US$ 1.100 milhões – apenas 0,061% da capitalização de mercado de US$ 1,8 trilhão da criptografia.

O relatório de 2023 do Banco Mundial sobre as lições aprendidas com a primeira geração de avaliações de risco de branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo concluiu que “algumas novas questões não foram abordadas na última ANR, como VA [virtual asset] […]”, e que deve ser garantido que “autoridades e entidades privadas forneçam mais dados para entrada” e “avaliem mais riscos, como VASPs”.

Uma publicação do Banco Mundial de 2022 sobre avaliações nacionais dos riscos de branqueamento de capitais não faz qualquer menção às criptomoedas, além de concluir que as moedas virtuais deveriam ser “mais estudadas”. O artigo “Illicit Transaction Flows: Concepts, Measurement and Evidence”, publicado no World Bank Research Observer em 2020, também não faz menção a ativos virtuais, bitcoin ou criptomoedas.

Os artigos publicados pelo Banco Mundial sobre a adoção de criptoativos também não fornecem muito mais informações sobre os impactos das criptomoedas nos esforços de AML/CFT – Os artigos “Crypto-Asset Activity around the World” e “What Does Digital Money Mean for Emerging Markets and Economias em Desenvolvimento?” simplesmente reencaminhe os leitores para as recomendações existentes do GAFI.

O artigo do Banco Mundial “Decrypting New Age International Capital Flows” cita um único artigo acadêmico sobre os efeitos das criptomoedas na lavagem de dinheiro, alegando ter descoberto que “aproximadamente um quarto dos usuários de bitcoin estão envolvidos em atividades ilegais”. Embora existam muitos artigos científicos que tentam avaliar a importância das criptomoedas nos fluxos de transações ilícitas, os académicos questionam amplamente a precisão das metodologias aplicadas, alegando ter encontrado taxas de erro superiores a 92% em heurísticas comumente aplicadas. Particularmente, os métodos baseados no comportamento do utilizador são considerados “os menos fiáveis”, concluindo que a sua aplicação não deve ser utilizada para justificar medidas investigativas intensas.

Avaliando a Proporcionalidade: Segurança Nacional vs. Direitos Humanos

As estimativas de volumes de transações ilícitas variam entre 0,34% de todo o volume de transações em cadeia em 2023 e 46% de todo o volume de transações de bitcoin em 2019, destacando a aparente falta de uma compreensão conclusiva da importância das criptomoedas em permitir a facilitação de transações ilícitas.

Numa Avaliação Nacional de Risco de 2024, a polícia federal suíça classifica esta “tremenda falta de dados” como um “risco inerente”, citando “números e estatísticas insuficientes”. A avaliação destaca que a falta de dados sobre os fluxos financeiros de criptomoedas “não é exclusiva da Suíça”.

A avaliação destaca declarações feitas pelo BCE, que “apontaram para a falta de estatísticas fiáveis” sobre os fluxos financeiros associados às criptomoedas. Destaca ainda as declarações feitas pelo FMI, concluindo que “lacunas significativas de dados continuam a dificultar a avaliação da verdadeira extensão do VA [virtual assets] utilização no sistema financeiro, o que também dificulta a análise de risco pelas autoridades financeiras”. Observa que o FMI recomendou iniciar um intercâmbio internacional de dados estatísticos sobre transações de criptomoedas para “resolver a falta de dados” já em 2019.

Aparentemente ecoando as preocupações do MONEYVAL sobre a avaliação de relatórios de transações suspeitas, a avaliação conclui que uma pesquisa realizada entre a polícia nacional e os promotores para coletar informações quantitativas sobre processos criminais em transações de criptomoeda e avaliações qualitativas dos desafios da criptomoeda para o trabalho da aplicação da lei é “ fragmentário” e “de relevância limitada”.

Especialistas em segurança cibernética alertam para os riscos das táticas de desanonimização das criptomoedas em relação aos direitos fundamentais estabelecidos, concluindo que futuros conceitos regulatórios podem colidir com direitos fundamentais, como o direito à liberdade de associação, o direito à privacidade e o direito à autodeterminação informacional, o direito à liberdade de expressão e direito à liberdade de informação, tal como estabelecido na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, bem como na Convenção Europeia dos Direitos Humanos.

Tal como regido pelo artigo 5.º do Tratado de Maastricht, as ações aplicadas pela União Europeia “não devem exceder o necessário para alcançar o objetivo dos Tratados”. É questionável como os eurodeputados emitiram um voto informado sobre a proporcionalidade das novas leis ABC da UE, quando não parecem existir dados conclusivos sobre a importância da criptomoeda nos esforços de combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo.

Este é um post convidado de L0la L33tz. As opiniões expressas são inteiramente próprias e não refletem necessariamente as da BTC Inc ou da Bitcoin Magazine.

Fonte: bitcoinmagazine.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here