O poder e as possibilidades do sem código: a Creatio lança o primeiro manual independente de fornecedor

0
531

Não conseguiu comparecer ao Transform 2022? Confira todas as sessões da cúpula em nossa biblioteca sob demanda agora! Assista aqui.


Não há dúvida de que há escassez de talentos técnicos: líderes e especialistas em tecnologia estão constantemente criticando a situação e alertando para resultados terríveis a longo prazo. Ao mesmo tempo, tornar-se um desenvolvedor exige um treinamento importante, sem mencionar o interesse geral e a inclinação para a disciplina.

A solução emergente para esses fatores em turbilhão (de acordo com alguns, pelo menos): ferramentas sem código de arrastar e soltar que permitem que usuários sem nenhum conhecimento técnico criem e forneçam aplicativos personalizados rapidamente.

“No-code é uma maneira incrível de acelerar a automação dentro de sua organização”, disse Katherine Kostereva, CEO da plataforma sem código Creatio.

Para promover o uso sem código mais difundido, a Creatio anunciou hoje o “No-Code Playbook”, independente de fornecedor, de coautoria de Kostereva e do especialista em gerenciamento de produtos Burley Kawasaki. A empresa lançará oficialmente o manual em um evento ao vivo hoje (às 10h ET), apresentando uma discussão com o pioneiro do Vale do Silício, Steve Wozniak.

Evento

MetaBeat 2022

A MetaBeat reunirá líderes de pensamento para fornecer orientação sobre como a tecnologia metaverse transformará a maneira como todas as indústrias se comunicam e fazem negócios em 4 de outubro em San Francisco, CA.

Registre-se aqui

“Escrevemos o livro para abordar a natureza única do desenvolvimento sem código para que as organizações possam maximizar seus resultados de negócios ao adotá-lo”, disse Kostereva.

Demanda por aplicativos, mas desenvolvedores insuficientes

De acordo com a Grid Dynamics, o mundo está atualmente com falta de 40 milhões de trabalhadores qualificados em tecnologia. A empresa de aumento de pessoal estima que a escassez excederá 85 milhões até 2030.

Da mesma forma, em uma pesquisa com mais de 1.000 executivos C-suite realizada pela Harris Poll em nome da Stripe2, 61% disseram acreditar que o acesso ao talento do desenvolvedor é uma ameaça ao sucesso de seus negócios – uma ameaça ainda maior do que a falta de acesso a capital. Além disso, a pesquisa descobriu que os desenvolvedores gastam 42% de seu tempo mantendo e depurando o código existente, reduzindo ainda mais sua capacidade de colocar energia em fontes de inovação ou diferenciação de novo software.

Esses fatores levaram a uma explosão no número de ferramentas sem código como a Creatio: De acordo com a Emergen Research, o tamanho do mercado global de plataformas de desenvolvimento sem código foi de US$ 12,2 bilhões em 2020 e deve chegar a US$ 68,1 bilhões até 2028, representando um composto taxa de crescimento anual (CAGR) de mais de 24%.

Grandes players, incluindo Microsoft e Salesforce, oferecem plataformas sem código; outras empresas mais especializadas que competem no espaço incluem Appy Pie, Quickbase, Zoho, Airtable e AppSheet.

Sem código, explicado

Com ferramentas sem código, o trabalho é feito inicialmente “sob o capô”, por assim dizer, por desenvolvedores tradicionais, explicou Kostereva.

No futuro, os não desenvolvedores podem participar do processo de desenvolvimento de aplicativos por meio de ferramentas visuais de arrastar e soltar. Os usuários compõem os formulários, fluxos de trabalho e dados necessários para construir um aplicativo sem precisar entender uma linguagem de programação ou ter treinamento formal em desenvolvimento de software.

Os benefícios? Os aplicativos são mais rápidos para iniciar e terminar, o alinhamento é aprimorado e a agilidade é aumentada, de acordo com Kostereva.

Por fim, ela comparou o nível de interrupção sem código com a introdução da computação em nuvem no início de 2010.

Milhões de trabalhadores do conhecimento em todo o mundo – em vendas, marketing, produção ou finanças, por exemplo – estão aproveitando o não-código, diminuindo assim a dependência de recursos técnicos, disse ela.

“A transformação digital está na vanguarda da agenda do C-suite e as empresas em todo o mundo estão buscando novas maneiras de acompanhar as demandas de automação de negócios”, disse Kostereva. “A abordagem sem código permite que as organizações acelerem significativamente o time-to-market e aumentem o alinhamento entre negócios e TI.”

Mas primeiro, desmascarando mitos

Por mais que haja muita empolgação em torno do não-código – e a exaltação de seus benefícios – também há percepções errôneas.

Mais notavelmente, disse Kostereva: Não-código não pode ser usado em grandes organizações. Mas “isso é um estereótipo, um mito”.

Embora seja definitivamente útil para pequenas organizações nas áreas de criação de sites e processos de aprovação, ela disse que há muitos exemplos de organizações maiores que usam sem código para automatizar fluxos de trabalho muito complexos.

“Nem todos os cenários de missão crítica exigem desenvolvedores profissionais”, escreveram Kostereva e Kawasaki. “O nível de criticidade de negócios de um aplicativo tem mais a ver com a seleção do processo de negócios e domínio.”

Outra preocupação é que as ferramentas sem código deixarão os desenvolvedores de software sem trabalho. “Isso definitivamente está longe de ser verdade”, disse ela. Já existe uma escassez muito lamentada; isso ajudará a aumentar o trabalho dos desenvolvedores e fechar as lacunas de talentos.

Há também a percepção errônea de que nenhum código é diferente de código baixo, o que requer pelo menos algum conhecimento de codificação. Sem código não requer nenhum e pode ser usado junto com ferramentas de baixo código e codificação tradicional.

“Você pode mudar muito, muito rapidamente sua automação de fluxo de trabalho”, disse Kostereva.

Enquanto o desenvolvimento tradicional pode levar anos, sem código pode lançar aplicativos quase que imediatamente.

“Esse é o valor que queríamos trazer ao mundo – explique que você pode fazer isso muito rápido”, disse ela. “Vemos quanto valor sem código traz para pessoas e organizações. A ideia é explicar como usar a tecnologia sem código corretamente para automatizar processos.”

Sem código em uso

“The No-Code Playbook” está focado na automação empresarial, explicou Kostereva. Embora existam muitas ferramentas sem código para processos simples, a verdadeira disrupção vem com grandes organizações que têm demandas sofisticadas.

“Eles valorizam muito o no-code como metodologia”, disse ela.

O livro enfatiza o design, o go-live e a entrega diária e é baseado em três princípios:

  • Use no-code para reunir requisitos e protótipos em tempo real.
  • Tudo o que pode ser desenvolvido sem código, deve ser desenvolvido sem código. Ou, como Kostereva enfatizou: “Não faça código personalizado, faça sem código”.
  • Entregue aos usuários finais o mais rápido possível.

O ciclo de vida sem código

O livro inclui uma descrição passo a passo do ciclo de vida sem código: “design”, “go live” e “everyday delivery”. Também ajuda as organizações a aplicar a estratégia de implantação correta. Esses incluem:

  • Faça você mesmo: O modelo de entrega mais simples, em que as funções principais do projeto sem código estão contidas em uma equipe localizada em uma única unidade de negócios.
  • Centro de excelência: Normalmente de propriedade e liderado por um único líder multifuncional geral. Trabalhadores do conhecimento qualificados têm a missão de maximizar a eficiência por meio da definição consistente e da adoção das melhores práticas em toda a organização.
  • Entrega de equipe de fusão: uma equipe multidisciplinar em que os membros do lado comercial colaboram com a TI. Normalmente, esse modelo é usado quando há maiores requisitos técnicos e complexidade exigindo que os desenvolvedores de software construam alguns componentes de aplicativos sem código.

Também estão incluídas no playbook várias ferramentas para avaliar a complexidade do aplicativo; há também um modelo de governança sem código e descrição de funções de projeto sem código.

Kostereva ressaltou o fato de que o livro é independente de fornecedor. Os objetivos finais são avançar no setor, padronizar as melhores práticas e aumentar a adoção de tecnologias sem código em organizações de médio e grande porte.

“Somos verdadeiramente apaixonados por criar uma comunidade em torno do no-code”, disse ela.

A versão eletrônica do livro estará disponível na Amazon e no site da Creatio; a versão impressa estará disponível ainda este ano.

A missão do VentureBeat é ser uma praça digital para os tomadores de decisões técnicas adquirirem conhecimento sobre tecnologia empresarial transformadora e realizarem transações. Conheça nossos Briefings.

Fonte: venturebeat.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here