EUA e Reino Unido investigam transações criptográficas de US$ 20 bilhões vinculadas à Rússia em meio a aumento de sanções

0
37

A bolsa Garantex declarou anteriormente o seu compromisso em impedir atos ilegais e em colaborar ativamente com as autoridades europeias e norte-americanas até à sua designação de sanções.

As sombras lançadas pela guerra na Ucrânia estendem-se ao mundo das criptomoedas. Especificamente, as autoridades dos EUA e do Reino Unido estão a investigar mais de 20 mil milhões de dólares da Garantex, uma plataforma de moeda virtual sediada na Rússia, por potencial evasão de sanções, sublinhando as implicações de longo alcance do conflito.

Uma investigação investigou transações envolvendo Tether (USDT), uma criptomoeda atrelada ao dólar americano, que passou pela Garantex depois que a bolsa enfrentou sanções das autoridades americanas e britânicas em abril de 2022. Há preocupações de que a Garantex tenha facilitado atividades financeiras ilícitas e crimes na Rússia , motivando essas sanções.

A investigação destaca as dificuldades constantes que as nações ocidentais encontram para reduzir eficazmente os fluxos financeiros para a Rússia. Apesar das sanções abrangentes, a Rússia evitou habilmente as restrições através de intrincadas transferências de petróleo offshore, trocas de tecnologia através de países terceiros e, como este caso revela, transacções criptografadas em moeda digital mascaradas em segredo.

Neste caso específico que envolve 20 mil milhões de dólares, a investigação em fase inicial revela a natureza complexa e pouco clara destas transferências de ativos digitais. Opacas por natureza, estas transações digitais colocam desafios na determinação da finalidade definitiva e da origem dos fundos substanciais.

O Tether, com mais de US$ 100 bilhões em circulação, é a criptomoeda mais negociada do mundo. Notavelmente, não existe nenhuma alegação atual de má conduta contra a Tether Holdings Limited, o emissor do Tether. A empresa afirma sua dedicação à abertura, garantindo rastreabilidade completa de todas as transações e ativos.

Garantex enfrenta escrutínio sobre transações ilícitas de US$ 100 milhões

A bolsa Garantex declarou anteriormente o seu compromisso em impedir atos ilegais e em colaborar ativamente com as autoridades europeias e norte-americanas até à sua designação de sanções. Apesar do inquérito em curso, a Garantex manteve-se em silêncio. Eles persistem em afirmar a cooperação com as agências internacionais de aplicação da lei e em negar a facilitação de atividades criminosas.

No entanto, a Garantex inicialmente estabeleceu operações na Estónia, mas posteriormente redirecionou a maior parte das suas atividades para Moscovo. A Estónia revogou a licença de operação da Garantex em fevereiro de 2022, coincidindo com as ações regulatórias dos EUA. O Departamento do Tesouro dos EUA alegou que a Garantex não cumpriu os regulamentos contra a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo.

O Tesouro rastreou as transações da Garantex, totalizando mais de US$ 100 milhões, a atividades ilícitas ligadas ao grupo de ransomware Conti, com sede na Rússia, conhecido por suas operações maliciosas. Além disso, a plataforma da Garantex permite saques através de bancos russos sancionados, e uma imagem obtida pela Bloomberg supostamente retrata um alto funcionário discutindo o acesso facilitado por criptografia a dólares americanos por meio de intermediários.

A natureza dupla do Tether apresenta vulnerabilidade

O Tether possui uma natureza dupla, apresentando um cenário complexo. Sua utilidade facilita a transição perfeita dos investidores entre tokens e exchanges. No entanto, o seu anonimato, rapidez e firmeza também chamaram a atenção dos criminosos. Depois que os fundos são convertidos em Tether e transferidos para carteiras anônimas, eles podem ser movidos instantaneamente, tornando difícil rastrear a origem ou o destinatário.

O aumento do uso do Tether em esquemas de fraude online, como “abate de porcos”, e seu envolvimento generalizado em crimes relacionados à criptografia em 2023, com base na análise do TRM Labs. Esta análise relatou que o Tether facilitou US$ 19,3 bilhões em transações ilegais em 2023, em comparação com US$ 24,7 bilhões no ano anterior.

Embora a Tether Holdings negue qualquer cumplicidade na facilitação de atividades ilegais e alegue cooperação com as agências de aplicação da lei, o inquérito em curso sublinha a necessidade de regulamentações mais rigorosas. “Com o Tether, toda ação é online, toda transação é rastreável, todo ativo pode ser apreendido e todo criminoso pode ser capturado”, disse a empresa em seu comunicado.

próximo

Notícias Altcoin, Notícias sobre criptomoedas, Notícias

Fonte: www.coinspeaker.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta