Banco Central Europeu combate a inflação com aumento de 25 BPS nas taxas

0
204

À medida que a economia global continua a se recuperar da pandemia do COVID-19, a zona do euro enfrenta chances crescentes de pressões inflacionárias.

Em uma tentativa de enfrentar o persistente desafio da inflação, o Banco Central Europeu (BCE) recentemente deu um passo significativo ao anunciar um aumento de 25 pontos básicos na taxa de juros, elevando sua principal taxa para 3,75%.

O BCE permanece vigilante com a queda da inflação

Esta decisão ocorre em meio a um cenário de recuperação econômica na zona do euro e crescentes preocupações com o aumento das taxas de inflação. De acordo com dados recentes, a inflação plena na zona do euro caiu para 5,5% em junho, de 6,1% em maio. Embora isso represente uma redução, a taxa ainda está significativamente acima da meta do BCE de 2% para a estabilidade de preços.

O BCE observou em um comunicado divulgado hoje cedo que a inflação está mostrando indícios de redução; no entanto, é projetado para permanecer persistentemente alto por um longo período de tempo. Isso ocorre em meio a preocupações com a recuperação da economia e seu possível impacto sobre indivíduos e empresas.

A recente alta de 25 pontos-base da taxa de juros do BCE esteve em linha com as previsões do mercado, mas tem investidores e empresas aguardando ansiosamente a atitude do banco central no período pós-verão.

Enquanto a zona do euro lida com a recuperação da pandemia do COVID-19, há preocupações persistentes sobre se as medidas de política monetária do BCE podem inadvertidamente levar a região a uma recessão econômica.

Com o potencial efeito atenuante das taxas de juros mais altas sobre os gastos do consumidor e os investimentos empresariais, alguns participantes do mercado temem que o aumento das taxas possa prejudicar a frágil recuperação econômica. O banco central enfrenta um ato de equilíbrio delicado, pois visa combater as pressões inflacionárias e, ao mesmo tempo, apoiar o crescimento econômico.

Um aspecto notável do recente anúncio do BCE foi a ausência de orientação futura em relação a movimentos futuros de política. O banco central não deu indicações claras de suas intenções além do aumento da taxa.

Chances crescentes de inflação na zona do euro

À medida que a economia global continua a se recuperar da pandemia do COVID-19, a zona do euro enfrenta chances crescentes de pressões inflacionárias. Vários fatores estão contribuindo para as crescentes preocupações com a inflação na região.

Em primeiro lugar, o Banco Central Europeu (BCE) publicou recentemente um inquérito que revela uma evolução significativa e preocupante dos empréstimos às empresas na zona euro. Os dados mostraram que entre meados de junho e início de julho, os empréstimos corporativos caíram para o nível mais baixo de todos os tempos. Essa queda nos empréstimos para empresas levanta preocupações sobre o estado da recuperação econômica da região e os desafios enfrentados pelas empresas.

Somando-se às preocupações sobre o futuro econômico da zona do euro, as estatísticas sobre a atividade empresarial divulgadas no início desta semana mostraram quedas em duas das principais economias da região, Alemanha e França.

Contribuindo ainda mais para as apreensões econômicas, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou suas projeções para o crescimento econômico da zona do euro neste ano. O FMI prevê que a economia da região crescerá 0,9% em 2023. No entanto, essa previsão leva em conta a possibilidade de uma recessão na Alemanha, onde o PIB deverá cair 0,3%.

próximo

Notícias do mercado, notícias

Benjamin Godfrey é um entusiasta de blockchain e jornalista que gosta de escrever sobre as aplicações da vida real da tecnologia blockchain e inovações para impulsionar a aceitação geral e a integração mundial da tecnologia emergente. Seu desejo de educar as pessoas sobre criptomoedas inspira suas contribuições para mídias e sites renomados de blockchain.

Fonte: www.coinspeaker.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here