‘Softwar’, pensamento abstrato e como o Bitcoin resolve um problema neolítico

0
279


Este é um editorial de opinião de Sydney Bright, um desenvolvedor de software com mestrado em engenharia biomédica.

Bitcoin não é apenas um meio de troca. Isso não quer dizer que bitcoin não seja dinheiro. Bitcoin é, sem dúvida, dinheiro. No entanto, pensar que é apenas uma inovação tecnológica que transcende os sistemas arcaicos do Federal Reserve, bancos legados, Visa, Mastercard e assim por diante seria um erro profundamente errôneo.

O Bitcoin resolve um problema que, ironicamente, foi o catalisador da era neolítica e algo que atormenta a humanidade há milhares de anos: o uso de nossas mentes abstratas para confiar no simbolismo e criar maior cooperação entre nossas espécies. O dinheiro é apenas um resultado da mente de pensamento abstrato do ser humano, que da mesma forma deu origem a uma linguagem complexa e ao uso de símbolos e narrativas. Este Catch-22 é evidente através de uma síntese da teoria de projeção de poder delineada em “Softwar” por Jason Lowry, um membro da Força Espacial dos EUA, e minha própria teoria da lagoa calma (descrita aqui). Em suma, essas duas teorias destacam como os enormes avanços de desenvolvimento alcançados por nossas mentes abstratas vêm com suas desvantagens, que não tinham solução até a invenção do Bitcoin.

A teoria da lagoa calma

Minha teoria da lagoa calma sugere que uma mente caracterizada pela atenção plena otimiza a capacidade do cérebro de regular e manter a saúde dentro do corpo e concede ao indivíduo uma interpretação mais precisa da própria realidade. Considere que o cérebro recebe um dilúvio de neurotransmissores para compreender o estado do corpo e do mundo externo. Para entender adequadamente as informações que chegam e reagir de acordo, ele constrói um modelo, constantemente testando, refinando e retificando para aumentar a precisão do modelo, um processo que experimentamos como consciência.

Agora, imagine o cérebro como uma lagoa, onde as gotas de chuva representam neurotransmissores, atingindo suavemente a lagoa e formando ondulações que servem como a chave para interpretar as informações. Quando a lagoa está calma, essas ondulações são distintas e facilmente discerníveis, permitindo uma interpretação precisa. No entanto, a demanda de nosso mundo moderno impõe ruminação mental sem fim, causando uma tempestade de atividade neuronal. As inúmeras ondulações formadas em uma tempestade colidem e interferem umas nas outras, tornando significativamente mais desafiador para o cérebro construir um modelo preciso do mundo, já que entender as ondulações individuais torna-se quase impossível.

É provável que um estado de espírito semelhante a uma lagoa calma seja o que era típico dos seres humanos mais antigos, destacando uma tremenda preocupação com a saúde quando se considera o fato de que estamos construindo uma sociedade tecnológica que exige que a maioria de nós esteja usando nossa capacidade analítica. mentes constantemente para manter sua estrutura. Em outras palavras, o processo mental necessário para construirmos esta linda torre de marfim está deixando nossos corpos e mentes muito doentes.

Teoria da Projeção de Poder

Antes de abordar como o Bitcoin resolve esse problema milenar, vamos primeiro reconhecer a semelhança entre a ideia acima e as conclusões da teoria da projeção de poder.

Nossas mentes abstratas não apenas deram origem ao dinheiro e ao pensamento lógico, mas também nos deram a capacidade de usar a linguagem simbólica por meio da narrativa. A tese de Lowery, intitulada “Softwar: A Novel Theory Of Power Projection And The National Strategic Significance Of Bitcoin”, descreve como a energia e a vida se formaram usando energia (referida como “poder”) para sequestrar outra energia (referida como “recursos ”) longe do ambiente para ser usado para ganhos pessoais.

Isso pode ser observado não apenas nas primeiras células procarióticas que se formaram nas fontes hidrotermais existentes nas fissuras do fundo do mar, mas também na forma como os animais se comportam na natureza. Como explica Lowry, no nível celular, formou-se uma bicamada lipídica no fundo do mar, que projetava poder criando uma barreira física que prendia recursos, facilitando reações químicas que levam a um sistema biológico. No nível de organismos multicelulares, Lowry usa a ilustração de lobos rosnando suas presas para um suposto ladrão de seu jogo recém-adquirido para transmitir a informação de que o custo de roubar os recursos seria maior do que o benefício obtido com a comida. Aqui, o lobo está projetando poder para manter seus recursos.

Seguindo esse raciocínio, os animais de matilha, como os lobos, devem criar hierarquias de poder dentro de suas comunidades para que o lobo mais forte, mais capaz de projeção de poder eficiente, seja alimentado e autorizado a se reproduzir e a matilha possa ter mais recursos de projeção de poder para proteger seus recursos. . Para fazer isso, os lobos devem lutar fisicamente entre si. Este é um requisito infeliz, Lowry aponta, já que dois lobos lutarão até que um lobo coloque suas presas na jugular de outro para provar a superioridade.

A fisicalidade necessária para criar hierarquias de poder pode, portanto, ser perigosa e fratricida. Segundo Lowry, outros animais, como o veado, resolvem esse problema com o desenvolvimento de chifres, que lhes permitem projetar poder contra outras espécies, mas levam a uma competição segura dentro de sua própria espécie, pois os chifres simplesmente se emaranham quando batem cabeça com um risco diminuído de ferimentos fatais. Desta forma, os cervos desenvolveram um método biológico de gestão de hierarquias de poder interno e, portanto, de gestão de recursos internos, usando o poder físico, mas com um risco relativamente menor de fratricídio.

Lowry argumenta que os humanos desenvolveram um método semelhante de organização interna por meio de nosso pensamento abstrato, embora isso tenha um custo significativo. Ele apresenta a ideia de que, por meio da linguagem e da narrativa, os seres humanos desenvolveram uma forma de projeção abstrata de poder para organizar recursos sem violência física. Há muitos exemplos disso, como o desenvolvimento de sistemas judiciais nos quais o poder abstrato é colocado nas mãos de um juiz e do Estado para que eles administrem os recursos de maneira pacífica. Claro, a força física ainda é usada nas sociedades humanas para administrar recursos. No entanto, há um esforço constante por meio da linguagem e do raciocínio para evitar essa violência física e para que administremos nossos recursos de forma pacífica.

A importância da teoria da projeção de poder fica evidente quando se percebe que a natureza só compreende a organização dos recursos por meio do poder físico. A energia física é usada para gerenciar a energia dos recursos. Dito de outra forma: a natureza não reconhece o gerenciamento de recursos por quaisquer outros meios, incluindo projeção de poder abstrato. Portanto, os seres humanos estão presos em um ciclo problemático no qual tentamos organizar nossas sociedades e recursos por meio da projeção de poder abstrato, apenas para vê-los entrar em colapso sob o peso de sua base oca por meio da projeção de poder físico.

Para nosso compreensível descontentamento e frustração, guerras e revoluções estão ocorrendo constantemente como o único mecanismo adequado da natureza para organizar recursos.

Gerenciando recursos com Bitcoin

Essas duas teorias compartilham o tema comum de que o uso do pensamento abstrato pelos seres humanos deu origem a dilemas de requisitos conflitantes.

No caso da teoria da lagoa calma, para construir essa sociedade complexa que aumenta o bem-estar econômico, somos forçados a usar nossas mentes de forma cronicamente analítica, o que deteriora a capacidade de nossos corpos e mentes de se regular e manter a saúde. e bem-estar adequadamente.

No caso da teoria da projeção de poder, para construir uma sociedade mais pacífica, usamos o pensamento abstrato para construir histórias de estruturas conceituais de poder que levam a um ciclo de paz temporária e guerra inevitável porque, em última análise, a natureza só pode administrar recursos por meio do poder físico. .

A solução para ambos os problemas: Bitcoin.

Embora ofereça uma visão sombria de como os humanos devem se organizar, Lowry oferece esperança ao destacar como o Bitcoin gerencia recursos usando energia física. Em outras palavras, é o chifre tecnológico dos seres humanos. Em última análise, resolve a natureza frágil do nosso sistema de poder abstrato, tornando-o obsoleto enquanto o substitui por um meio não violento de usar o poder físico para gerenciar nossos recursos.

A solução para as conclusões da teoria da lagoa calma é descrita em um artigo anterior da Bitcoin Magazine, “How Bitcoin And Artificial Intelligence Will Free Your Time.” Em suma, o computador, do qual o Bitcoin é apenas um aspecto, é uma máquina pensante projetada para realizar todas as tarefas que nossa mente de pensamento abstrato pode. Mais notavelmente, pode pensar logicamente e administrar nosso dinheiro.

À medida que lentamente construímos esta máquina e a tornamos cada vez mais capaz de pensar por nós, ela gradualmente aliviará nossa necessidade de usar nossas mentes abstratas para manter nossa sociedade pessoalmente. Isso nos dará a liberdade de buscar vidas mais focadas na atenção plena e no bem-estar físico. O computador, com o Bitcoin, tira o fardo de nossos ombros para que nossas mentes possam ser irrestritas, calmas e, mais uma vez, mais alinhadas com nossa verdadeira natureza.

Bitcoin é mais do que apenas dinheiro; é uma tecnologia revolucionária que resolve alguns dos problemas mais antigos da humanidade. Com esses problemas sendo resolvidos, a humanidade está entrando em um momento sem precedentes na história, potencialmente caracterizado por um aumento sem paralelo na paz e harmonia social e mental.

Este é um post de convidado por Sydney Bright. As opiniões expressas são inteiramente próprias e não refletem necessariamente as da BTC Inc ou da Bitcoin Magazine.

Fonte: bitcoinmagazine.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here