Ao migrar seus processadores para o soquete 775, a Intel adotou o sistema de numeração que ainda é usado até os dias de hoje. Ao contrário da AMD, que até então usava o sistema de numeração como um indicador aproximado de desempenho, o sistema de numeração da Intel é apenas um código que indica a família, a “posição hierárquica” do chip e os recursos adicionais (EM64, suporte a virtualização, etc.) suportados por ele. Isso faz com que, em muitos casos, um processador mais rápido receba um número de identificação muito inferior ao de um processador mais lento, porém de outra família.

Por exemplo, a versão de ultra baixo consumo do Pentium M (com core Dothan) de 1.0 GHz recebe o código 723, enquanto um Pentium M “normal”, de 1.5 GHz recebe o código 715 e um Prescott de 3.4 GHz recebe o código 551. Um Celeron D de 3.6 GHz baseado no core Cedar Mill-512 recebe o número 365, enquanto um simples Prescott de 2.66 GHz recebe o número 505.

O sistema de numeração é aplicado apenas aos processadores produzidos em versão soquete 775. Mesmo depois do lançamento deles, os processadores soquete 478 (tanto Pentium 4, quanto Celeron) continuaram sendo vendidos sob a freqüência de operação, até serem descontinuados.

A partir da segunda metade de 2007, a AMD acabou adotando um sistema de numeração similar ao da Intel, também abandonando a idéia do índice de desempenho.

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta