Parceria Chinesa para Levar Mineração de Bitcoin em Grande Escala para a Etiópia

0
153

A seguir está um trecho de uma edição recente da Bitcoin Magazine Pro, o boletim informativo de mercados premium da Bitcoin Magazine. Para estar entre os primeiros a receber esses insights e outras análises do mercado de bitcoin on-chain diretamente em sua caixa de entrada, Inscreva-se agora.

O governo etíope deverá firmar uma parceria com empresas da China para estabelecer uma nova e poderosa infraestrutura de mineração de Bitcoin no país, toda centrada em torno de uma enorme barragem hidrelétrica.

Na quinta-feira, 14 de fevereiro, os atores envolvidos no projeto anunciaram uma parceria entre a Ethiopian Investment Holdings, uma empresa estatal de investimentos, e a Data Center Service PLC, subsidiária do West Data Group, com sede em Hong Kong. Kal Kassa, CEO da Hashlabs Mining para a Etiópia, inicialmente foi ao Twitter para afirmar que “A parceria será para fins de um projeto de mineração de dados de US$ 250 milhões na Etiópia”, mas posteriormente excluiria este anúncio e substituir com um anúncio semelhante que não incluía um valor exato em dólares. Independentemente dos compromissos monetários específicos envolvidos, o objetivo desta parceria é claro: o estabelecimento de um centro de dados e outras infraestruturas críticas para turbinar a mineração de Bitcoin na Etiópia.

Bitcoin Magazine Pro™ é uma publicação apoiada pelo leitor. Para receber novas postagens e apoiar meu trabalho, considere se tornar um assinante gratuito ou pago.

Como a mineração de Bitcoin foi amplamente proibida na China, o West Data Group tem trabalhado ativamente para iniciar novas operações no exterior, em centros de mineração conhecidos como o Cazaquistão e os Estados Unidos, juntamente com vários outros países africanos. O dinheiro do investimento chinês já tem estado a fluir para vários países de África devido à Iniciativa Cinturão e Rota, mas a Etiópia tem algumas vantagens distintas que a tornam ainda mais atractiva: por um lado, aderiu aos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul) em Janeiro de 2024, tornando-se o mais novo membro desta aliança económica de nações emergentes. Esta relação diplomática adicional irá, sem dúvida, fazer com que grandes acordos internacionais funcionem de forma muito mais harmoniosa.

A segunda maior vantagem a favor da Etiópia é a Grande Barragem da Renascença Etíope (GERD), um enorme projecto para construir uma barragem no Rio Nilo para revolucionar a produção de energia na Etiópia. A barragem está em construção há mais de uma década; finalmente começou a encher com água em 2020 e tem gerado energia hidroelétrica desde 2022. Mas as suas operações atuais são apenas uma fração do seu potencial total, assumindo que o projeto seja concluído sem problemas. Por estas razões, os mineradores chineses de Bitcoin têm migrado para a Etiópia em 2024, a tal ponto que 19 das 21 empresas de mineração de bitcoin que chegaram a acordos com a empresa estatal de energia da Etiópia estão sediadas na China. Vários detalhes da barragem melhoraram ainda mais o negócio; não só uma quantidade substancial de investimento chinês já foi investida na construção da barragem, mas a sua altitude e clima consistente criam condições que são bastante ideais para operações de mineração durante todo o ano. Esta é a situação actual, mas esta nova e importante parceria em infra-estruturas apenas começou. Só podemos imaginar até onde isso pode ir a partir daqui.

Fonte

No entanto, existem várias preocupações com a viabilidade a longo prazo do local como um hotspot global para a mineração de Bitcoin. Em primeiro lugar, a DRGE tem sido uma questão muito contestada entre a Etiópia e o governo egípcio. O Rio Nilo tem dois afluentes principais, o Nilo Branco e o Nilo Azul. Embora o Nilo Branco seja um dos rios mais longos do mundo, estendendo-se por mais de 3.200 quilómetros desde o Lago Vitória até onde se encontra com o seu homólogo no Sudão, o Nilo Azul, muito mais curto, que flui das Terras Altas da Etiópia, fornece cerca de 85% da água. uma vez que os dois afluentes se encontrem. A preocupação de longa data do governo egípcio é que a barragem possa cortar a maior parte da água do seu país, a menos que a Etiópia seja extremamente escrupulosa em não encher a barragem demasiado rapidamente. No entanto, até que a barragem esteja cheia, ela só será capaz de gerar uma fração das metas energéticas projetadas.

Fonte

As conversações entre os dois governos foram repetidamente interrompidas ao longo dos últimos anos e não existe formalmente nenhum acordo para resolver esta disputa. No entanto, o governo etíope afirmou que prosseguirá com a construção e operações normais, quer seja alcançado um acordo ou não. Os Estados Unidos mediaram várias conversações entre estes dois governos e são geralmente considerados favoráveis ​​à posição do Egipto; considerando a rivalidade entre os EUA e a China, não faltam oportunidades para qualquer um dos lados tentar influenciar o progresso e as operações da barragem.

Ainda assim, apesar destes possíveis contratempos, o GERD no seu estado actual está substancialmente operacional, com muitos mineiros de Bitcoin já a instalarem-se. Reuters relataram que 90% da eletricidade da Etiópia vem de fontes hidrelétricas e que a barragem concluída produzirá quase tanta eletricidade quanto todo o país gera hoje. Nuo Xu, fundador da China Digital Mining Association, afirmou que “a Etiópia se tornará um dos destinos mais populares para os mineiros chineses” e já está organizando a visita de representantes de outras empresas de mineração ao local.

No que diz respeito à infra-estrutura real que será construída a partir desta parceria multinacional, os detalhes têm sido particularmente escassos, especialmente considerando como Kal Kassa reviu a sua afirmação para minimizar o montante específico de 250 milhões de dólares investidos. Bloomberg afirma que a maior parte da discussão governamental sobre o projeto usa vários eufemismos como “computação de alto desempenho” e “mineração de dados” para se referir à mineração de Bitcoin, com o projeto oficialmente designado como data center. “A Etiópia é fortemente regulamentada”, afirmou Nemo Semret, CEO da mineradora etíope QRB Labs, que está envolvida em esforços de lobby pró-Bitcoin. “Introduzir um novo setor como este tem sido um grande desafio e temos trabalhado nos últimos dois anos para obter todas as permissões necessárias do governo.” Em outras palavras, parece que o governo ainda tem algum tipo de escrúpulo em endossar diretamente o Bitcoin e as indústrias que o apoiam. No entanto, suas ações apoiaram bastante os mineradores de Bitcoin.

Embora a maior parte da construção mineira e de infra-estruturas na Etiópia tenha sido um negócio totalmente chinês, o vasto potencial do projecto já foi reconhecido em todo o mundo. A Marathon Digital, maior mineradora de Bitcoin da América do Norte, chamou especificamente a atenção para o site. Charlie Schumacher, vice-presidente de comunicações corporativas da Marathon, declarou publicamente que “estamos a olhar para África. Acreditamos que a mineração de bitcoin é, entre outras coisas, uma solução tecnológica para o setor energético, e África pode ser um ótimo lugar para comprovar esta tese”. Ele acrescentou que “os mineradores de Bitcoin podem incentivar a construção de mais energia em todo o continente, servindo como o primeiro cliente para novos projetos de energia”.

Por outras palavras, os líderes da indústria em todo o mundo identificaram este projecto como um primeiro passo poderoso. Mesmo que o governo etíope dificulte a compra da Marathon ou de outras empresas mineiras dos EUA neste centro de investimento chinês, existem inúmeras oportunidades para recriar o projecto. Muitos etíopes hoje não têm acesso à eletricidade, e a mineração de Bitcoins está incentivando a geração de eletricidade no país com centenas de milhões de dólares. Existe alguma escassez de outros locais que beneficiariam igualmente de tais incentivos? Claro que não. O Bitcoin tem o poder de ser um impulsionador do progresso em todo o mundo, impulsionando a geração de eletricidade e oportunidades de emprego. E como benefício adicional, é tudo renovável. Não é de admirar que as pessoas em todo o mundo estejam a olhar para o Bitcoin como um novo modelo para trazer independência económica a todos os lugares?

Fonte: bitcoinmagazine.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta