Em um ano em que tantas coisas deram errado, os videogames se destacaram como um dos poucos destaques de 2020.

Eles foram mais importantes do que nunca, proporcionando novas maneiras para as pessoas se conectarem e criando uma distração muito necessária de tudo o que está acontecendo no mundo. Vimos isso quando milhões de pessoas se socializaram via Animal Crossing, ou começaram a assistir às competições do Fall Guys no Twitch. A capacidade de passar horas desaparecendo em um belo mundo como os de Fantasma de Tsushima ou Hades foi um descanso bem-vindo.

Como sempre, restringir os melhores jogos do ano não é uma coisa fácil de se fazer. Mas depois de muitas votações – e alguns argumentos – a equipe Verge reduziu o número de lançamentos de um ano para nove títulos que ajudaram a tornar 2020 um pouco mais suportável.

ANIMAL CROSSING: NEW HORIZONS

ANIMAL CROSSING: NEW HORIZONS

Para mim, Animal Crossing: New Horizons é um jogo sobre a arte de fazer cerâmica. Sempre tenho uma vaga idéia sobre algo que gostaria de fazer, como um pouco da minha ilha, seria bom retocar, ou talvez um peixe que esteja disponível para ser pescado este mês. Mas New Horizons é um jogo cheio de pequenas distrações que significam que você pode jogar por horas sem nunca chegar a ele. Há sempre um fóssil para escavar, um bicho de aparência interessante para pegar, ou um balão para abater.

Mas o que elevou a New Horizons a se tornar um dos meus jogos favoritos do ano foi o momento cultural que ela teve. Tive conversas em grupo e canais de Slack em chamas com códigos Dodo depois que amigos obscuros de amigos de colegas se viram com bons preços para os nabos, ou apenas dicas de como pegar os insetos disponíveis em um dado mês. New Horizons é um jogo que freqüentemente parece uma tarefa de navegação. Mas isso é por projeto. Significa que você nunca poderá perder de vista os menores detalhes do jogo, que é onde seus melhores momentos podem ser encontrados. – Jon Porter

FALL GUYS

FALL GUYS

Os jogos de batalha royale estão por toda parte. O gênero pioneiro da PUBG inclui agora a metaversa expansiva de Fortnite, a ação rápida de Call of Duty: Warzone e as batalhas de sci-fi da Apex Legends. Por mais diferentes que sejam, estes jogos têm todos uma coisa em comum: o tiroteio. O Fall Guys, uma das surpresas mais agradáveis de 2020, levou o gênero em uma direção diferente.

Em vez de um campo de batalha violento, encarregou os jogadores de competir através de uma série de competições semelhantes a um show de jogos, correndo para sobreviver em meio a obstáculos que se sentiam arrancados dos gladiadores americanos. É brilhante e colorido, com controles patetas e física que garantem que você vai cair e parecer bobo. E essa é a questão: O outono é tão divertido de assistir quanto de brincar, e mostra quanto espaço há para crescer no gênero “última pessoa de pé” – Andrew Webster

FINAL FANTASY VII REMAKE

FINAL FANTASY VII REMAKE

Final Fantasy VII Remake poderia ter sido um desastre. A Square Enix não teve o maior histórico na última década, deixando que muitos de seus projetos ficassem atolados por anos de produção em excesso até que o produto final parecesse um compromisso cheio de nostalgia. Não foi isso que aconteceu com a FFVII Remake. É uma obra-prima dos tempos modernos, combinando o que os fãs adoravam no original com um sistema de batalha profundo e envolvente, profundidade de caráter surpreendente, música incrível e um trecho final completamente fora do campo esquerdo que promete sacudir as seqüelas de uma grande forma.

Não foi perfeito. O jogo abrangeu apenas uma pequena fração do original, o que inevitavelmente levou a um passo tedioso, tedioso e uma estrutura excessivamente linear. Mas a FFVII Remake conseguiu apesar de tudo isso, pregando todos os pontos altos que pôde – a seqüência Honeybee Inn está viva em minha memória – e mantendo-se fiel à série Final Fantasy, nos dando uma experiência que vamos adorar olhar para trás daqui a anos, quando suas falhas forem mais facilmente perdoadas e esquecidas. A única coisa mais impressionante neste ponto seria se as seqüelas fossem tão boas remotamente. -Nick Statt

GHOST OF TSUSHIMA

GHOST OF TSUSHIMA

Eu não esperava gostar tanto do Fantasma de Tsushima quanto gostava. Em um ano cheio de sucessos de bilheteria como Animal Crossing e Final Fantasy, parecia que não havia como igualar aqueles outros pesos-pesados. Talvez essa falta de expectativa tenha sido o que me permitiu cair tão forte.

Pensei que as paisagens do Fantasma de Tsushima eram impressionantes. A partitura musical do jogo é uma das minhas favoritas do ano. Escrever haikus foi genuinamente pacífico e meditativo. (Escrevi uma sobre a luta que terminou com a frase “despedaçada, mas viva”, que continua sendo meu mantra para 2020). A ação foi ótima também. O enorme conjunto de ferramentas de Jin Sakai tornou emocionante a tomada de hordas de inimigos. Os duelos de luta de espada um contra um foram confrontos épicos de estratégia e habilidade, que causaram ainda mais impacto quando enfrentei personagens que uma vez chamei de aliados.

Fiquei viciado no Fantasma de Tsushima até seu final extremamente gratificante. E pensar nisso enquanto escrevia isto me faz querer saltar no meu cavalo novamente e cavalgar pelo mundo pitoresco do jogo – ou talvez até escrever outro haiku.-Jay Peters

HADES

HADES

Demorei cerca de 15 minutos para me apaixonar pelo Hades. A abertura foi um jarro; o jogo o joga diretamente para uma fuga do inferno com poucas explicações. Quando cheguei ao primeiro chefe do jogo, o husky expressou Fury Meg, eu mal tinha começado a lascar os sistemas e a história. Em nenhum lugar isso é melhor exemplificado do que na primeira conversa entre Meg e o intrépido príncipe do jogo, Zagreus: algumas perguntas, um reconhecimento de alguma história profunda, e depois uma luta. Eu morri. E então eu me apaixonei.

O roguelike do Super Gigante é um de seus melhores ainda – um pacote irresistível de excelente atuação vocal, belos visuais e jogabilidade que arranham a coceira certa para o castigo. Já joguei em dezenas de corridas e mortes, e ainda me recupero cada vez que estou ansioso por mais. Cada fracasso é seu próprio tipo de recompensa, através de novas conversas, ou armas, ou realização pessoal por ter ido um pouco mais longe do que da última vez. Estou constantemente chocado por descobrir que ainda há mais histórias para desvendar e novos truques a serem aprendidos. O mundo dos mortos do Hades é especial porque se sente tão vivo. -Megan Farokhmanesh

HALF-LIFE: ALYX

HALF-LIFE: ALYX

Tornou-se uma tradição para mim fazer coisas ridículas para jogar o último jogo do Half-Life. Vendi meu console Xbox macio por 50 dólares apenas para comprar o Half-Life 2 no PC em 2004. Lembro-me de dirigir uma hora fora da cidade para conseguir uma cópia do The Orange Box no Xbox 360. E para o Half-Life: Alyx, a prequela apenas em VR para HL2 lançada em março, eu me enchi de $300 (além do custo do jogo) em um fone de ouvido VR durante uma pandemia – e valeu a pena.

Todas as peças familiares de um jogo Half-Life estão aqui: design de nível brilhante, quebra-cabeças baseados na física, grande ritmo narrativo, atenção meticulosa aos detalhes e interpretação de voz estelar. A única diferença é que seu corpo é colocado no meio de tudo isso, e isso faz com que a fórmula se sinta novamente nova. Este ano, talvez eu tenha registrado mais tempo com jogos como Hades e Animal Crossing, mas eu sou um grande sugador de parques infantis de física. A maioria dos objetos no jogo pode ser amarrada com as luvas de gravidade, exigindo um rápido movimento do pulso. Isso nunca deixa de ser mágico. -Cameron Faulkner

THE LAST OF US PART II

THE LAST OF US PART II

Sou um grande fã de The Last of Us, então quando uma sequela foi anunciada, eu sabia que tinha que tocá-la. Mas a primeira vez que venci The Last of Us Part II, fiquei desapontado. Durante anos eu tive minhas próprias teorias do que imaginei que seria a seqüência de um dos meus jogos favoritos, e não foi isso. Então decidi jogá-lo novamente para conseguir o troféu Platina, e experimentar o jogo com uma perspectiva diferente e expectativas diferentes me permitiu ver como O Último de Nós Parte II é realmente grande. Minhas expectativas originais não eram apenas injustas, mas irrealistas.

O Último de Nós Parte II é um jogo dolorosamente belo, e quanto mais eu o jogo, mais eu percebo o quanto amor o Cão Maroto colocou neste título. A jogabilidade é mais robusta e agradável, mesmo que tenha sido muito mais horrível e violenta. Mas isto ajudou a tornar seu mundo mais credível e me permitiu mergulhar totalmente nesta história de vingança e nas conseqüências que ela acarreta.

Para mim, tudo se resume ao que eu posso tirar do jogo – e houve muita coisa que eu tirei depois de várias jogadas. Apesar de alguns remendos e problemas de ritmo, é uma bela história. Até me inspirou a aprender a tocar guitarra. -Taylor Lyles

SPIDER-MAN: MILES MORALES

SPIDER-MAN MILES MORALES

Quando se trata da aparência e do jogo, o Homem-Aranha: Miles Morales é quase idêntico ao jogo original de funda para a web PS4. Ele acrescenta algumas novas habilidades, e novos bandidos para lutar, mas mecanicamente não há muito que separe os dois. Mas isso não significa que os jogos sejam os mesmos – uma mudança no foco para o novo herói Miles Morales faz uma grande diferença.

A seqüência conta uma história propositalmente menor e mais íntima, e é melhor para ela. Ver Miles crescer em suas novas responsabilidades, enquanto também forma uma profunda conexão com seu bairro do Harlem, é quase tão emocionante quanto balançar pela cidade de Nova York. O fato de ser também uma grande vitrine técnica para a PlayStation 5 é apenas um bônus a mais.-Andrew Webster

STAR WARS: SQUADRONS

STAR WARS: SQUADRONS

Se a Guerra das Estrelas: Esquadrões tivessem sido a melhor realização do que é pilotar um asa X, isso teria sido suficiente. O simulador de vôo do Motive Studio parece uma carta de amor para as lutas de cães icônicas do cinema, com altíssimos guerreiros estelares e perseguições emocionantes ao redor e através de gigantescas estações espaciais e campos de asteróides.

Mas Squadrons não é ótimo apenas por seu design ou é incrível, opção VR para todo o jogo: é também um divertido jogo multiplayer baseado em classes, um jogo que recompensa o esquadrão com amigos e a coordenação de diferentes classes e habilidades. Quando tudo clica, ele se junta como uma experiência da Guerra das Estrelas como nada mais. -Chaim Gartenberg

Referências

Theverge.com | THE BEST GAMES OF 2020

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta