O custo ambiental da mineração de ouro

0
147

O rei Fernando da Espanha, patrocinador de Cristóvão Colombo, tinha apenas uma ordem para os conquistadores: “Consigam ouro! Humanamente, se possível, mas com todos os riscos!”

500 anos depois, este sentimento ainda parece o mesmo, com a adição de novos perigos. Os defensores do ouro e do Bitcoin partilham a crença comum de que o sistema monetário fiduciário está à beira do colapso, enquanto se degrada continuamente para se manter vivo. A solução? Uma alternativa baseada em mercadorias que garante a preservação do valor acumulado, impermeável à degradação.

Com a próxima quarta redução pela metade do subsídio do bloco de 6,25 para 3,125 BTC em abril de 2024, a taxa de inflação (taxa de crescimento anual da oferta total) do Bitcoin será de 0,9%. Além da sua maior portabilidade e divisibilidade do que o ouro convencional, a taxa de inflação do “ouro digital” será inferior à taxa de inflação do ouro (~ 1,7%) e continuará a cair para taxas mais baixas no futuro.

Mas quando questionados sobre a escolha de uma reserva de valor, muitos investidores dizem coisas como:

“Eu escolheria ouro. Não Bitcoin, por causa do meio ambiente!” Realmente?!

Contrariamente a essa percepção, a investigação diz-nos que a mineração de Bitcoin pode melhorar a expansão das energias renováveis ​​(Bastian-Pinto 2021, Rudd 2023; Ibañez 2023; Lal 2023) e incentivar a redução das emissões de metano (Rudd 2023, Neumüller 2023) ao mesmo tempo que tem metade da pegada de carbono. (70 Mt CO2e) da mineração de ouro (126 Mt CO2e).

Quando as pessoas pensam em ouro, pensam em uma substância pura e limpa. A realidade da produção de ouro, porém, parece muito diferente. Ao observar cientistas ambientais desenvolvendo adsorventes de poluentes da água, aprendi que a mineração de ouro é uma das indústrias mais poluentes do mundo. Aprofundar o assunto leva aos seguintes fatos.

A mineração de ouro ocupa o segundo lugar depois da mineração de carvão (7.200 km2) em cobertura de terra. Os locais de mineração de ouro (4.600 km2) cobrem mais do que os próximos 3 locais de metal combinados (cobre: ​​1.700 km2, ferro: 1.300 km2 e alumínio: 470 km2).

Como muitas minas de ouro de alto rendimento foram esgotadas, processos químicos, como lixiviação ou amálgama com cianeto, com uso extensivo de produtos químicos tóxicos, estão sendo usados ​​hoje. A água contaminada da mineração de ouro, chamada drenagem ácida de minas, é um coquetel tóxico para a vida aquática e entra na cadeia alimentar.

O rio Animas, no Colorado, ficou amarelo após o derramamento de 3 milhões de galões de águas residuais tóxicas na mina Gold King em agosto de 2015. De:

Nos EUA, 90% do cianeto é utilizado exclusivamente para recuperar ouro de difícil extração. O material tóxico e sua produção e transporte estão em relação direta com o mercado de ouro. Estima-se que as minas de ouro utilizem mais de 100.000 toneladas de cianeto por ano. Isso significa produção e transporte massivos de um composto com uma dose fatal para humanos de alguns miligramas.

Em 2000, uma barragem de rejeitos numa mina de ouro na Roménia falhou e 100.000 m3 de água contaminada com cianeto foram para a bacia hidrográfica do rio Danúbio. O derrame causou uma extinção em massa da vida aquática no ecossistema fluvial e contaminou a água potável de 2,5 milhões de húngaros. As minas no Brasil e na China utilizam amplamente o método histórico de amálgama que cria resíduos de mercúrio. Aproximadamente 1 kg de mercúrio é emitido por 1 kg de ouro extraído.

A produção de ouro a partir de minas artesanais e de pequena escala, principalmente no Sul global, é responsável por 38% das emissões globais de mercúrio.

Milhares de toneladas foram lançadas no ambiente na América Latina desde 1980. 15 milhões de mineiros de pequena escala foram expostos ao vapor de mercúrio e os residentes das comunidades a jusante comeram peixe fortemente contaminado com metilmercúrio.

O envenenamento por mercúrio entre essas populações causa problemas neurológicos graves, como perda de visão e audição, convulsões e problemas de memória. Da mesma forma, nas cidades de Joanesburgo, na África do Sul, as comunidades pobres estão a pagar o preço pelo rico passado mineiro de ouro do país.

Conhecendo os riscos, as empresas mineiras ocidentais têm-se deslocado cada vez mais para os países em desenvolvimento, em resposta às regulamentações ambientais e laborais mais rigorosas no seu país. Surpreendentemente, apenas 7% do ouro extraído é utilizado para fins de propriedade material na indústria (por exemplo, na electrónica). O restante é processado em joias (46%) ou adquirido diretamente como reserva de valor pelo varejo ou bancos centrais (47%). É por isso que os períodos de elevada desvalorização monetária estão a impulsionar o preço do ouro. No ano passado, os bancos centrais compraram 1000 toneladas de barras de ouro, o maior valor alguma vez registado, enquanto o ouro tem pairado perto do seu máximo histórico nominal (estado: Dezembro de 2023).

A última vez que a procura de ouro aumentou substancialmente o seu preço foi durante a desvalorização monetária que se seguiu à crise financeira global de 2008. Durante esse período, a mineração de ouro nas florestas amazônicas ocidentais do Peru aumentou 400%, enquanto a taxa média anual de perda florestal triplicou.

Como praticamente todas as importações de mercúrio do Peru são utilizadas na mineração de ouro, o preço do ouro correspondeu a um aumento exponencial nas importações de mercúrio peruanas.

Como resultado do manuseio artesanal do mercúrio, grandes quantidades de mercúrio estavam sendo liberadas na atmosfera, nos sedimentos e nos cursos de água.

A exposição massiva ao mercúrio pode ser detectada em aves na América Central. Uma região que abriga mais da metade das espécies do mundo.

Figura 1: Preço do ouro, importações peruanas de mercúrio e área de mineração, de “Mineração de ouro na Amazônia peruana: preços globais, desmatamento e importações de mercúrio”. 2011, PLoS ONE 6(4): e18875.

Outras áreas naturais dotadas de depósitos de ouro, como a região de Magadan, no Nordeste da Rússia, estão a registar uma expansão semelhante da actividade mineira ao longo dos últimos anos, incluindo a destruição ambiental em resposta aos elevados preços do ouro.

A mineração de ouro, em grande parte impulsionada pela procura de uma reserva de valor, causa danos ecológicos e sociais generalizados em todo o mundo. É o carvão dos meios de armazenamento de valor.

Pelo menos metade da atual mineração de ouro poderia ser evitada através da utilização de uma reserva de valor diferente – uma mercadoria digital com maior portabilidade, divisibilidade e escassez.

Então, da próxima vez que um investidor com consciência ambiental defender ouro versus Bitcoin, diga-lhes:

Uma reserva de valor do século XXI não deveria depender de enormes campos escavados de destruição e perigos venenosos, mas sim de electricidade proveniente de energia não rival, subsidiando a expansão renovável.

Este é um post convidado de Weezel. As opiniões expressas são inteiramente próprias e não refletem necessariamente as da BTC Inc ou da Bitcoin Magazine.

Fonte: bitcoinmagazine.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta