Maratona traz calor à medida que a redução do Bitcoin se aproxima

0
61

Embora para a grande cultura do Bitcoin o halving do Bitcoin seja visto como um evento comemorativo, para os mineradores as coisas tendem a ser um pouco estressantes. À medida que os Bitcoiners de todo o mundo se reúnem para celebrar o bloco 840.000, os mineradores estão se preparando e se preparando para que sua recompensa pelos blocos de mineração diminua em 50%, enquanto o custo de suas operações permanece o mesmo.

Com o próximo halving do Bitcoin programado para ocorrer em 19 de abril, pode-se imaginar que Fred Thiel, CEO da Marathon Digital Holdings, a maior empresa de mineração de Bitcoin de capital aberto do mundo, possa estar preocupado. Mas depois de conversar com Thiel poucos dias antes do halving, ele não parece estar suando muito.

Por que isso?

Uma das razões é que a Marathon planeja gerar fluxos alternativos de receita utilizando o calor emitido por suas plataformas de mineração de bitcoin.

“A mineração de Bitcoin por si só faz algo muito eficiente, que é produzir calor”, disse Thiel à Bitcoin Magazine. “50% do gasto de energia industrial é gasto para aquecer coisas, então imagine se você pudesse capturar o calor dos mineradores de Bitcoin e os mineradores de Bitcoin pudessem ser pagos por isso. Isso subsidiaria o custo da eletricidade.”

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=unNnCsQi8e8&w=560&h=315]

Durante um bate-papo com a senadora Cynthia Lummis (R-WY) no Bitcoin Policy Summit, realizado em 9 de abril de 2024 em Washington, DC, Thiel compartilhou um exemplo de como a Marathon planeja utilizar o calor produzido por seus mineradores.

“Uma das coisas que estamos fazendo em Nebraska é começar a aquecer estufas e criar camarões usando o calor da mineração de Bitcoin como subproduto”, explicou Thiel ao senador Lummis.

“Acho que vamos começar a ver isto como uma forma de as pessoas cultivarem proteínas em áreas do mundo desfavorecido”, acrescentou.

Utilizar o calor produzido pelos mineiros da Marathon é uma das maneiras pelas quais Thiel está procurando mudar a percepção da mineração de Bitcoin de algo que é parasita para algo que é produtivo.

Isto se encaixa bem com o fato de que a Marathon continua a melhorar sua capacidade de usar gases residuais como combustível para seus mineiros.

No final de 2023, a Marathon lançou um projeto piloto no qual extraiu bitcoin com energia derivada exclusivamente de metano de aterro sanitário, um gás que é 80 vezes mais potente como gás de efeito estufa do que o CO2.

O projeto foi um sucesso, segundo Thiel.

“Foi uma prova de conceito que mostrou que você poderia extrair bitcoin com sucesso usando gás metano de aterro sanitário”, disse ele à Bitcoin Magazine. “A mineração em aterros sanitários é muito difícil, mas conseguimos provar que é possível fazê-lo com bastante sucesso.”

Thiel expandiu esses esforços em sua conversa com o senador Lummis, reunindo as ideias de que a Marathon poderia produzir esse calor que planeja usar e, ao mesmo tempo, ter um impacto positivo no meio ambiente.

“Você gera energia com isso, transformando-a em metano e depois convertendo-a em eletricidade e cria calor com a eletricidade”, disse ele ao senador Lummis. “Se conseguirmos pegar num produto residual, transformá-lo em energia e devolver calor a um processo industrial, estaremos a fazer mais pelo ambiente do que muitos ambientalistas pretendem. E, ao mesmo tempo, seu custo para extrair bitcoin se torna muito pequeno porque seu custo de energia é baixo.”

Fonte: bitcoinmagazine.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here