Executivo nigeriano da Binance escapa da custódia, aprofundando disputas contínuas

0
39

A seguir está um trecho de uma edição recente da Bitcoin Magazine Pro, o boletim informativo de mercados premium da Bitcoin Magazine. Para estar entre os primeiros a receber esses insights e outras análises do mercado de bitcoin on-chain diretamente em sua caixa de entrada, Inscreva-se agora.

Na Nigéria, sede da maior economia de ativos digitais de África, tem-se desenvolvido uma rivalidade entre o governo e a Binance – uma rivalidade que culminou com a fuga de um dos executivos da empresa da prisão domiciliária e do país.

Ostentando a sexta maior população do mundo, a República Federal da Nigéria detém uma grande influência económica sobre o continente africano e uma influência respeitável no grande mercado mundial. Embora o possível futuro para o desenvolvimento económico da Nigéria tenha sido um tema de grande interesse para as instituições financeiras globais, um ponto de interesse particular é a aparente afinidade da nação com o Bitcoin; por exemplo, o país está no topo das nações em pesquisas relevantes do Google, como “investir em criptografia”, etc. Além disso, devido a alguns dos motivos clássicos, como inflação desenfreada e declínio da moeda local, a Nigéria também contém os maiores volumes de negociação em toda a África. Por estas razões, a possível bitcoinização da Nigéria seria um benefício significativo para os Bitcoiners em todo o mundo, e o país poderá um dia ser um verdadeiro centro para a indústria.

Portanto, os Bitcoiners de hoje certamente deveriam estar interessados ​​na rivalidade em desenvolvimento concentrada entre Binance e o governo nigeriano, com atenção especial à possibilidade de uma repressão mais ampla à indústria. A disputa começou para valer em fevereiro de 2024, quando uma suposta “falha” na plataforma de transações peer-to-peer (P2P) da Binance levou a preços deflacionados para os usuários, já que funcionários do governo acusaram formalmente a empresa de “definir descaradamente uma taxa de câmbio especial para Nigéria” e “tentando manipular a nossa moeda até ao Marco Zero”. O Banco Central (CBN) considerou o uso generalizado de transações P2P Bitcoin como um possível contribuinte para a queda do desempenho da naira e procurou tomar medidas contra a Binance. Considerando que a inflação na Nigéria está a aumentar ao ritmo mais rápido em décadas, este problema pareceu especialmente preocupante para as autoridades.

Fonte

Para tanto, uma série de eventos um tanto confusos se desenrolou: circularam relatórios em fevereiro de que o governo estava bloqueando serviços de grandes bolsas como Binance, Coinbase e Kraken. A Coinbase, por sua vez, afirmou que não havia enfrentado tais problemas com o governo nigeriano na época. O governo esclareceu a sua posição quando a CBN destacou a Binance, anunciando que cerca de 26 mil milhões de dólares em fundos “não rastreáveis” aparentemente tinham passado pelas operações da empresa na Nigéria. Esta quantidade de dinheiro representaria uma saída de capital significativa para toda a economia. Além disso, é claro, um número tão grande reflecte certamente um nível relativamente elevado de interesse e adopção por parte da população em geral. Depois que a Binance se recusou a cooperar com as alegações de que havia permitido vários crimes financeiros em sua plataforma, o governo tomou a medida agressiva de deter dois executivos – um cidadão britânico e um americano.

Esta etapa levou a uma enxurrada de atividades à medida que a situação entre a Nigéria e a criptoeconomia se tornava cada vez mais turva. O governo estava almejando a Binance devido à sua atitude recalcitrante ou é apenas o primeiro passo em uma repressão planejada ao mundo mais amplo do Bitcoin? O governo fechou a maior bolsa P2P do país, mas será que a prática de negociação de Bitcoin P2P será a próxima a ser desbastada? Os reguladores nigerianos publicaram uma lista atualizada de diretrizes a serem seguidas pelas bolsas estrangeiras, e o governo também firmou uma nova parceria para experimentar a viabilidade de lançar um CBDC, o eNaira. Nos Estados Unidos, a Câmara de Comércio Digital chegou a pressionar a Casa Branca para intervir na situação, exigindo a libertação do responsável norte-americano da Binance.

Esta situação tensa e ambígua veio à tona de uma forma muito inesperada quando Nadeem Anjarwalla, um cidadão com dupla nacionalidade britânico-queniana e executivo preso da Binance, escapou da custódia nigeriana com um “passaporte contrabandeado” e fugiu do país em 25 de março. Embora a sua família alegasse que a saída de Anjarwalla do país era inteiramente legal, a Nigéria pediu à INTERPOL que enviasse um mandado de detenção internacional para ele. Aparentemente, os guardas de Anjarwalla permitiram-lhe sair da prisão domiciliária para visitar uma mesquita próxima e assistir aos cultos, onde desapareceu. Não só os guardas foram presos enquanto se aguarda uma investigação, mas o governo também acusou formalmente a Binance de evasão fiscal. O colega americano de Anjarwalla, Tigran Gambaryan, permanece sob custódia federal e foi citado como réu nas acusações.

Estes certamente parecem presságios sombrios para o espaço Bitcoin nigeriano, com certeza. No entanto, permanece a possibilidade de que o governo esteja apenas tentando fortalecer especificamente a Binance, uma vez que a empresa já está inundada de problemas jurídicos. Além dos problemas da empresa em África, também sofreu grandes reveses em três continentes distintos. A mais famosa delas é a multa do Departamento de Justiça dos EUA: a empresa deve pagar 4,3 mil milhões de dólares e o CEO Chengpeng Zhao foi forçado a demitir-se, provavelmente enfrentando pena de prisão. A Binance.US foi desmembrada para melhor acomodar os requisitos legais americanos, mas mesmo esta subsidiária está atolada em uma série de ações coletivas e batalhas da SEC que provavelmente a matarão. Dificilmente seria a primeira vez, já que a CommEX, sucessora da Binance na Rússia após um êxodo semelhante, fechou suas portas em 25 de março. A empresa também foi bloqueada nas Filipinas no mesmo dia, depois que o governo acusou a Binance de operar sem licença.

Por outras palavras, o governo nigeriano pode simplesmente ter escolhido agora como o momento oportuno para atacar um rival sitiado, que há muito é alvo dos vigilantes dos valores mobiliários no país. Com certeza, há vários sinais preocupantes de uma possível repressão ao Bitcoin, já que um tribunal nigeriano ordenou que a Binance entregasse dados sobre seus maiores comerciantes, acompanhados de rumores de que comerciantes de criptografia de rua estavam sendo alvo da polícia. A investigação sobre o eNaira, um possível CBDC para substituir a demanda por Bitcoin e outros ativos digitais, certamente não ajudou. No entanto, ainda existem muitas razões para ver um caminho a seguir.

Por um lado, o antigo CEO da Paxful e atual CEO da NoOnes, Ray Youssef, estava publicamente entusiasmado com as oportunidades da sua empresa na Nigéria. Youssef sugeriu que a Nigéria realmente aumentasse as taxas de registo para as bolsas operarem no país, chamando a medida de um convite aos “grandes”, como a Coinbase ou a sua própria empresa que opera no mercado nigeriano. Youssef prosseguiu afirmando que o governo tem interesse em restringir estes conglomerados estrangeiros de atuarem como o principal local para vendas P2P por medo de fuga de capitais, e as bolsas com funcionalidade P2P nula ou limitada devem ser bem-vindas para operar normalmente.

Os consumidores nigerianos têm uma grande preferência pelo P2P como método ideal para comprar e vender Bitcoin, e a possibilidade de que US$ 26 bilhões possam fluir do mercado P2P da Binance para locais incertos abalou profundamente o governo. No entanto, a prática real de vendas P2P de Bitcoin está viva e bem no mercado nigeriano, sem a Binance como intermediária; por exemplo, o Dia Internacional da Mulher de 2024 na Nigéria foi marcado por grandes e concorridos seminários focados na educação de mulheres de todas as esferas da vida sobre o Bitcoin. Focados na desmistificação do mundo das finanças descentralizadas e no empoderamento das mulheres, esses seminários foram patrocinados por uma ampla variedade de canais P2P, entusiastas e empresas do cenário criptográfico nigeriano.

De onde estamos, parece que os rumores de uma repressão mais ampla ao Bitcoin na Nigéria foram muito exagerados. Considerando que a rivalidade do governo com a Binance está rapidamente se transformando em uma caçada humana internacional, é fácil imaginar que o governo estaria fazendo ataques semelhantes a outras bolsas como a Coinbase ou mesmo ao mundo Bitcoin se tivesse algum grande interesse em fazê-lo. A Binance tem sido vista como um escarnecedor das regulamentações nigerianas já há algum tempo, e parece que suas batalhas legais simultâneas em muitas jurisdições apresentaram uma oportunidade para a Nigéria aderir. O espírito do Bitcoin, no entanto, está vivo e bem, e a Binance's os concorrentes estão mais do que dispostos a preencher seu nicho no mercado. Ninguém sabe quão robusta será a indústria Bitcoin na Nigéria daqui a cinco anos, à medida que a economia do país como um todo continua a se desenvolver. Uma coisa parece certa, porém: será necessário muito mais do que uma luta para manter o Bitcoin baixo.

Fonte: bitcoinmagazine.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta