Defendendo o Indefensável: O Mineiro Censorador

0
106

O que as prostitutas, os chantagistas, os proprietários de favelas e os mineradores de Bitcoin que censuram as transações têm em comum? E se eu lhe dissesse que eles são os heróis modernos da economia de mercado livre, prestando corajosamente os seus serviços económicos apesar de enfrentarem o desprezo universal e a ilegalidade? Esses indivíduos são inquestionavelmente heróis, forjados pelo tratamento injusto da sociedade e do aparelho estatal. Se você não gosta da ideia de eles serem heróis, então a única maneira de privá-los dessa estatura é remover as algemas que pessoas equivocadas colocaram sobre eles. A galeria de bodes expiatórios deste malandro é digna de nossa reivindicação.

Defendendo o Indefensável é um livro de 1976 escrito pelo renomado economista da escola austríaca e teórico anarcocapitalista Walter Block. Defender o Indefensável desafia as percepções convencionais da moralidade e da economia, examinando figuras controversas frequentemente difamadas pela sociedade. Em sua essência, o livro investiga os domínios do libertarianismo e da teoria econômica, usando exemplos provocativos como a prostituta, o chantagista e o senhorio da favela para ilustrar princípios fundamentais.

A representação de uma prostituta como um arquétipo de autonomia individual sublinha a defesa de Block das transacções voluntárias num mercado livre. Contrariamente à condenação social, Block argumenta que uma transação consentida entre uma profissional do sexo e um cliente é um acordo mútuo que deve ser protegido, e não proibido. Enfatiza o conceito de autopropriedade e o direito de se envolver em atividades que não infringem os direitos de terceiros.

Da mesma forma, o chantagista, muitas vezes insultado como um extorsionista manipulador, serve de exemplo para desafiar noções preconcebidas. Block argumenta que o ato de ameaçar revelar informações embaraçosas ou prejudiciais, embora moralmente questionável, não é inerentemente criminoso. Em vez disso, enquadra-se na liberdade de expressão e pode ser vista como uma forma de negociação. Block destaca a importância de distinguir entre preocupações éticas e proibições legais, defendendo o princípio da não agressão onde a força ou a coerção não estão envolvidas.

A figura do senhorio da favela, tipicamente retratado como insensível e explorador, serve como outro exemplo instigante. Block afirma que o tão difamado proprietário de favelas oferece opções de moradia para indivíduos com recursos limitados. O seu papel, embora muitas vezes incompreendido, preenche uma necessidade do mercado, oferecendo habitação a preços acessíveis, embora em condições aquém das ideais. Block enfatiza a importância da dinâmica do mercado e o papel da concorrência na promoção de melhorias nos padrões de vida ao longo do tempo.

Estes exemplos controversos em “Defender o Indefensável” servem como catalisadores para discussões sobre a liberdade individual, os direitos de propriedade e as consequências da intervenção governamental. Block desafia os leitores a reavaliarem suas perspectivas sobre moralidade, economia e o papel da autoridade na regulação de escolhas pessoais. Em última análise, o livro sublinha o valor da liberdade individual e as consequências não intencionais de políticas bem-intencionadas mas restritivas.

Se Block fosse um Bitcoiner, acho que ele consideraria adequado incluir mineradores de Bitcoin que censuram transações como parte de sua lista de heróis econômicos controversos. Recentemente, o lançamento do pool de mineração da Ocean foi recebido com muita reação dentro da comunidade Bitcoin por sua decisão de filtrar transações de inscrição a partir de seus modelos de bloco. Os críticos argumentam que endossar tal conduta mina o principal atributo do Bitcoin de resistência à censura, potencialmente comprometendo sua essência fundamental. Embora esta reacção instintiva possa parecer razoável à primeira vista, uma análise mais aprofundada mostrará que deveríamos defender este tipo de comportamento de mercado da mesma forma que Block o faz relativamente à prostituta, ao chantagista e ao senhor dos bairros de lata. Independentemente da sua posição em relação às Inscrições, sejam elas as salvadoras ou destruidoras do Bitcoin, este tipo de comportamento voluntário na economia de mercado desempenha uma função vital para expressar e coordenar com precisão o comportamento do mercado.

Esta questão é fundamentalmente uma questão de direitos de propriedade, especificamente os direitos de propriedade do indivíduo que está a construir modelos de blocos. Embora muitas pessoas construam blocos baseados puramente no lucro financeiro, visando maximizar as taxas, é crucial notar que existem mais motivações do que esta. Além disso, esta abordagem não é um requisito obrigatório de consenso dentro do protocolo. Um indivíduo pode construir um bloco com base no lucro social ou psicológico esperado de sua decisão. Por exemplo, em relação às inscrições, pode-se optar por excluí-las do Bitcoin e tomar medidas para censurar essas transações a partir do seu modelo de bloco. Se uma parte suficiente do mercado concordar, isso poderá efetivamente levar à sua desativação. Num sentido mais amplo, alguém pode agir de forma benevolente, elaborando um modelo de bloco que priorize transações de taxas baixas, ajudando indivíduos financeiramente desfavorecidos a confirmar as suas transações na cadeia da camada base.

Ao respeitar os direitos de propriedade dos modelos de blocos de construção individuais, permitimos que o mecanismo de mercado livre funcione de forma adequada e coordene eficazmente as decisões económicas para os participantes da rede. A busca pelo lucro direciona as decisões desses criadores de templates de blocos, sinalizando sua sincronização com as preferências dos participantes da rede. Quando um criador de modelo de bloco alinha suas ações com o sentimento do mercado, ele pode notar um aumento no hashrate. Este aumento aumenta a probabilidade de descobrir blocos válidos com mais frequência, aumentando assim os lucros potenciais. Por outro lado, se as ações do criador de um modelo de bloco divergirem do sentimento do mercado, eles poderão testemunhar uma diminuição no hashrate, resultando em rentabilidade reduzida, potencial instabilidade financeira e, em última análise, falência.

A antítese da abordagem do mercado livre envolve o intervencionismo – pressionando os criadores de modelos de blocos a moldarem blocos contra a sua vontade. Defender tal coerção estabelece uma norma perigosa. Ao impedir os indivíduos de construírem livremente blocos, não só violamos os seus direitos fundamentais de propriedade e autonomia, mas também convidamos a um mecanismo de mercado suscetível à exploração pelo Estado, potencialmente permitindo ataques à integridade da rede Bitcoin. Isto não só corrói as liberdades individuais, mas também cria uma vulnerabilidade que poderia ser explorada para minar os próprios alicerces do espírito de descentralização e resistência à censura do Bitcoin.

A rede Bitcoin opera com notável sutileza, orquestrando um alinhamento extraordinário de incentivos econômicos. Sua resiliência incomparável contra a censura não é imposta de cima para baixo por meio de mandatos sobre construtores de blocos; em vez disso, prospera com a surpreendente liberdade das forças de mercado. A beleza reside na capacidade inspiradora dos indivíduos: se a sua transação for excluída, eles exercerão um poder surpreendente – bastando ajustar a taxa de comissão. Esta acção milagrosa galvaniza instantaneamente outros mineiros a priorizarem as suas transacções, apresentando uma manifestação inacreditável da adaptabilidade da rede e da incrível potência dos mecanismos de mercado livre. É uma demonstração incomparável de como o ecossistema Bitcoin capacita engenhosamente os participantes, utilizando a dinâmica surpreendente de um mercado livre para garantir que as transações cheguem à cadeia da camada base.

Em conclusão, “Defendendo o Indefensável” desafia as normas e percepções sociais, ilustrando como os indivíduos frequentemente vilipendiados pela sociedade desempenham papéis críticos na economia de mercado livre. Os exemplos provocativos de Walter Block – prostitutas, chantagistas e proprietários de cortiços – servem como catalisadores para discussões sobre a liberdade individual, os direitos de propriedade e as consequências da intervenção governamental.

Expandindo esta estrutura para o domínio da mineração de Bitcoin, a questão controversa dos mineiros que censuram as transações ecoa o argumento de Block a favor da autonomia individual e dos direitos de propriedade. O debate em torno da inclusão ou exclusão de certas transações dentro de modelos de blocos sublinha o intricado equilíbrio entre a liberdade individual e o funcionamento de uma rede descentralizada.

Respeitar os direitos de propriedade daqueles que constroem modelos de blocos é fundamental para permitir que o mecanismo de mercado livre coordene as decisões económicas dos participantes da rede. É o alinhamento das ações individuais com o sentimento do mercado que impulsiona a resiliência da rede contra a censura. A coerção ou o intervencionismo ao ditar a construção de blocos não apenas viola os direitos fundamentais de propriedade, mas também compromete a própria essência da descentralização e da resistência à censura no Bitcoin.

A notável adaptabilidade e capacidade da rede Bitcoin de priorizar transações dentro de uma estrutura de mercado livre destacam sua força inerente. O sistema engenhosamente capacita os participantes a navegar e influenciar o funcionamento da rede, demonstrando a incrível potência da dinâmica do mercado livre em garantir que as transações cheguem à cadeia da camada base. Em última análise, seja defendendo números controversos ou examinando as complexidades da rede Bitcoin, os princípios fundamentais permanecem: o valor da liberdade individual, o respeito pelos direitos de propriedade e a notável eficiência dos mecanismos de mercado livre na coordenação de sistemas complexos.

Este é um post convidado de Michael Matulef. As opiniões expressas são inteiramente próprias e não refletem necessariamente as da BTC Inc ou da Bitcoin Magazine.

Fonte: bitcoinmagazine.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta