Bitcoin Blockchain está combatendo fraudes nas eleições presidenciais da Guatemala

0
205

O Bitcoin está ajudando a garantir a veracidade dos resultados eleitorais da Guatemala.

Graças ao OpenTimestamps, uma ferramenta criada pelo desenvolvedor de bitcoin Peter Todd há alguns anos, a startup de tecnologia guatemalteca Simple Proof é capaz de proteger documentos importantes sobre as eleições presidenciais do país contra fraudes e adulterações. A ferramenta de Todd, que aproveita funções hash e o blockchain do bitcoin, é capaz de registrar a data e hora de informações e facilitar a detecção de tentativas de fraude e manipulação.

A ideia de carimbo de data/hora em documentos é bastante antiga. Indivíduos e sociedades confiaram nesta técnica durante séculos para indicar quando um documento foi assinado, quando um cheque foi emitido ou quando alguém nasceu. Os carimbos de data/hora criptográficos, entretanto, são muito mais recentes. Eles levam o conceito de carimbo de data/hora humano um passo adiante, confiando na matemática em vez de em um ser humano falível e corruptível. As assinaturas podem ser falsificadas por intervenientes sofisticados e as autoridades podem estar sujeitas a diferentes incentivos, tornando-as suscetíveis de serem subornadas ou corrompidas. Além disso, “errar é humano”, enquanto a matemática não comete erros se os algoritmos corretos forem usados.

Um exemplo de um bom algoritmo é uma função hash, um tipo de função matemática que usa uma entrada de tamanho variável para gerar um resultado de comprimento fixo. Este resultado é chamado de hash dessa entrada. As funções hash são usadas na rede bitcoin, principalmente em blocos que são adicionados ao blockchain, bem como por OpenTimestamps.

Como funciona o OpenTimestamps?

OpenTimestamps aproveita funções hash para registrar criptograficamente a data e hora de qualquer dado no blockchain do bitcoin. Neste caso, a matemática está a ser aproveitada para melhorar a utilização de assinaturas ou atestados humanos, e a cadeia de blocos Bitcoin está a ser usada como um livro-razão digital descentralizado para ancorar essas informações, ligando-as a um bloco. Isso garante que dezenas de milhares de nós na rede possam testemunhar de forma independente a existência da âncora do carimbo de data/hora e verificar se de fato esse hash foi adicionado a um bloco que foi extraído em um determinado momento.

OpenTimestamps funciona fazendo hash das informações enviadas por um determinado usuário e adicionando-as a um bloco bitcoin com uma transação bitcoin. Como o hash do bloco Bitcoin é calculado aproveitando todas as informações contidas nesse bloco, os dados de carimbo de data/hora são necessários para o cálculo do hash desse bloco. Em outras palavras, a suposição com o carimbo de data/hora é que o minerador deve necessariamente ter começado com aquela transação de carimbo de data/hora –– junto com as outras transações contidas no bloco –– para chegar ao hash do bloco. Isso significa que as informações com carimbo de data e hora devem existir antes da criação desse bloco Bitcoin. Como cada bloco de bitcoin tem um carimbo de data/hora próprio, os usuários podem verificar a data e a hora em que o bloco foi extraído e ter certeza matemática de que o documento existia em um momento anterior ao carimbo de data/hora desse bloco.

Por si só, essa garantia não é tão valiosa. Claro, isso permite que alguém prove que um dado existia antes de um determinado momento, mas como isso é útil? Bem, combinadas com outros tipos de informações e evidências, muitas coisas podem ser deduzidas desta simples garantia. Por exemplo, pode-se deduzir que, uma vez que essa informação existia antes do bloco bitcoin, quaisquer alterações nessa informação foram feitas após esse período se o seu hash for diferente.

As informações e evidências necessárias para conclusões mais sofisticadas precisam ser tratadas pelo usuário porque, em última análise, tudo o que o OpenTimestamps fornece é a prova da inclusão do hash daquela informação naquele bloco de bitcoin. Portanto, os usuários que solicitarem o carimbo de data e hora deverão manter as informações originais em mãos caso queiram comprovar que seus dados correspondem ao carimbo de data e hora. Dadas as propriedades das funções hash –– as mesmas entradas sempre geram a mesma saída –– o hash será o mesmo se a informação não tiver sido alterada. Assim, fica muito fácil saber se alguma alteração foi feita nas informações originais porque o hash seria diferente.

Nos bastidores, o OpenTimestamps não coloca o hash de cada dado individual com carimbo de data e hora no Bitcoin. Isso poderia ser caro, pois exigiria uma transação de bitcoin na cadeia para cada carimbo de data/hora. Em vez disso, o OpenTimestamps aproveita as árvores Merkle para compactar essas informações tanto quanto possível.

Semelhante a como você pode fazer o hash de uma grande informação e chegar a um hash de comprimento fixo, você pode fazer o hash de mais dois hashes e chegar a um único hash. Da mesma forma, você pode começar com quatro informações, fazer hash individualmente e, em seguida, hash em pares até ficar com apenas um hash. A proposta de valor das árvores Merkle neste contexto é sobre dimensionar essa configuração, onde você tem um grande número de informações individuais e faz hash delas até ficar com um hash –– o hash raiz. OpenTimestamps pega esse hash raiz e o adiciona ao bitcoin, distribuindo o custo de uma única transação de bitcoin para cada informação inicial que foi enviada para carimbo de data e hora e usada para construir a árvore.

Os usuários ainda podem verificar se seu hash individual foi adicionado e se, em última análise, seus dados tiveram carimbo de data/hora. Eles podem aproveitar o site OpenTimestamps ou usar o cypherpunk completo e fazer o hash de todos os dados até chegarem ao hash raiz da árvore e verificarem os dados que estão no bitcoin.

O que isso tem a ver com a Guatemala?

A Guatemala tem uma longa história de corrupção e fraude nos seus círculos políticos. O Simple Proof foi implementado nesse contexto pela ITZ DATA como uma solução de backup imutável para o Tribunal Supremo Eleitoral da Guatemala (TSE) –– a mais alta autoridade eleitoral do país.

“A solução Simple Proof, chamada Immutable Backup, aproveita o protocolo OpenTimestamps para registrar provas de documentos de maneira inviolável no blockchain do bitcoin”, disse Rafael Cordón, cofundador da Simple Proof, à Bitcoin Magazine. “O TSE usou a Prova Simples para salvaguardar documentos eleitorais oficiais e proteger informações críticas contra inteligência artificial e desinformação, garantindo que qualquer adulteração de documentos seja evidenciada e que qualquer cidadão possa verificar as informações de forma independente”.

Os cidadãos da Guatemala podem verificar qualquer planilha de registro e verificar seu carimbo de data e hora por meio de um portal web dedicado. Cada folha contém a soma dos votos de cada candidato em uma enquete. Portanto, é proporcionada transparência à população em relação aos editais que foram digitalizados e utilizados para contagem dos votos, bem como quando cada edital foi carimbado com a data e hora.

É importante notar que esta configuração não pode atestar se uma determinada planilha de registro é válida ou não; ainda existe uma suposição de confiança em relação ao TSE. No entanto, é uma melhoria em relação a apenas acreditar na palavra dos funcionários, pois é, por exemplo, mais fácil identificar valores discrepantes entre todos os editais. Em vez de ser capaz de fornecer aos eleitores informações específicas sobre a validade de qualquer boletim de voto, o OpenTimestamps permite uma visão geral de todo o contexto das eleições.

Por exemplo, sem dúvida não deve demorar mais de uma hora após o término da votação para digitalizar uma folha de registro, carregá-la na solução da Simple Proof e obter o carimbo de data e hora em um bloco de bitcoin confirmado. Se a maioria dos editais cair nessa hora, mas alguns tiverem sido marcados com a data e hora muito mais tempo depois do encerramento das votações, é razoável supor que esses editais tenham uma chance muito maior de serem fraudulentos do que os outros. Em outras palavras, no caso de uma folha de registro ter sido inserida muito depois do esperado, os carimbos de data e hora dirão que é suspeito que tenha demorado tanto para carimbar a folha de registro de data e hora após o encerramento das urnas, em vez de menos de uma hora. mais tarde.

Isto foi e ainda é especialmente importante no contexto das eleições na Guatemala devido à tensão que antecedeu a corrida, bem como ao candidato atípico que acabou por vencê-la. Não se esperava que o presidente eleito Bernardo Arévalo sequer se classificasse para a corrida principal meses antes de ela acontecer.

Depois que Arévalo venceu as eleições presidenciais, o clamor foi enorme. Funcionários da procuradora-geral do país, María Consuelo Porras, invadiram instalações do TSE, abrindo dezenas de urnas de voto, segundo AP. O partido adversário, UNE, alegou que a vitória foi fraudulenta e exigiu a recontagem dos votos.

A UNE postou um tópico no X explicando seu raciocínio com algumas supostas evidências –– incluindo uma captura de tela de uma folha de registro na ferramenta web do Simple Proof que mostrava que havia carimbo de data e hora antes as urnas fecharam.

Quer numa tentativa de forçar a sua narrativa, quer por engano, a captura de ecrã desse boletim de registo foi tirada num fuso horário diferente do horário oficial da capital do país, levando à diferença de uma hora. Neste caso específico, o bitcoin ajudou a garantir que as afirmações feitas pela UNE eram falsas, e qualquer cidadão poderia verificá-lo verificando o carimbo de data/hora no seu computador. Notavelmente, um deles o fez – publicando uma captura de tela no X retificando que a planilha de registro que a UNE alegou ter sido adulterada não havia sido marcada com a data e hora muito cedo.

Embora o bitcoin tenha sido projetado e desenvolvido exclusivamente para resolver o problema do gasto duplo e obter dinheiro eletrônico peer-to-peer, sua rede de nós e seu livro-razão descentralizado podem alimentar outros casos de uso interessantes.

Neste caso, é evidente como a Prova Simples desempenhou um papel importante na proteção de informações eleitorais importantes. Se o OpenTimestamps e o bitcoin não tivessem feito parte do processo de proteção dessas informações de maneira criptográfica, pública e descentralizada, poderia ter havido um clamor muito maior e procedimentos tumultuados para tentar garantir que as informações não tivessem sido adulteradas. É muito provável que as dúvidas ainda persistam e, num país com uma história de procedimentos democráticos frágeis, o abalo da confiança poderá dissuadir a capacidade do presidente eleito de liderar a nação como o seu legítimo novo líder.

Fonte: bitcoinmagazine.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here