Universal Music Group (UMG) pede aos serviços de streaming para cortar músicas geradas por IA

0
314

Uma pessoa familiarizada com o assunto revelou que a UMG tem enviado pedidos “esquerda e direita” para retirar músicas geradas por IA.

Como o conteúdo de inteligência artificial (IA) está aumentando, o Universal Music Group (UMG) ordenou que as plataformas de streaming de música bloqueiem a música gerada por IA. Desde o lançamento do ChatGPT da OpenAI, o conteúdo gerado por IA teve um aumento incomum e foi adotado por muitos. Como esperado, o mundo está dividido em aceitar esta nova tecnologia. Enquanto muitos veem o chatbot de IA como um divisor de águas, outros acreditam que ele tem mais desvantagens do que benefícios. A última preocupação veio da UMG, que pediu à Apple Music, Spotify e outros provedores de serviços de streaming que cortassem todas as músicas geradas pela IA. O grupo musical está solicitando aos serviços de streaming que impeçam as empresas de IA de acessar as músicas protegidas por direitos autorais da gravadora para “treinar” suas máquinas.

UMG pede aos streamers que impeçam as empresas de IA de obter as músicas com direitos autorais da gravadora

O Financial Times se referiu a um e-mail da UMG, que afirma que os streams devem parar de dar acesso a serviços de IA para obter melodias e letras de músicas protegidas por direitos autorais. O grupo também observou que os serviços de inteligência artificial estão coletando músicas protegidas por direitos autorais “sem obter o consentimento necessário”. Enfatizou que a corporação musical está disposta a tomar medidas para protestar contra seus interesses e seus artistas.

Uma pessoa familiarizada com o assunto revelou que a UMG tem enviado pedidos “esquerda e direita” para retirar músicas geradas por IA. A pessoa acrescentou que a música tem aparecido com frequência nos serviços de streaming. Reforçando a aquisição alarmante da música gerada por IA, um usuário do Twitter fez referência à versão AI do rapper americano Jay-Z. Embora se autodenomine fã de Jay-Z, o usuário falou sobre gostar da outra versão, apesar de saber que a IA a criou. O tweet gerou várias reações, enfatizando ainda mais as preocupações sobre as habilidades alucinantes da IA. Assim como nas plataformas de streaming, as páginas do YouTube também estão aparecendo com covers de músicas populares por meio da tecnologia AI.

Em outubro de 2022, a Recording Industry Association of America (RIAA) escreveu sobre serviços online usando IA para extrair e copiar componentes musicais de faixas. Além disso, a equipe escreveu que seus resultados são sempre muito semelhantes ou tão bons quanto as faixas selecionadas ou artistas de gravação de som. Dirigindo-se ao representante comercial dos EUA, a RIAA acrescentou:

“Na medida em que esses serviços, ou seus parceiros, estão treinando seus modelos de IA usando a música de nossos membros, esse uso não é autorizado e infringe os direitos de nossos membros ao fazer cópias não autorizadas de nossos trabalhos. De qualquer forma, os arquivos divulgados por esses serviços são cópias não autorizadas ou trabalhos derivados não autorizados da música de nossos membros.”

Da mesma forma, UMG disse sobre sua postura com músicas geradas por IA que tem a responsabilidade de proteger seus tribunais. A equipe disse que deve impedir o uso autorizado de sua música e impedir que as plataformas “ingiram conteúdo que viole os direitos de artistas e outros criadores”.

próximo

Inteligência Artificial, Notícias de Negócios, Notícias, Notícias de Tecnologia

Ibukun é um redator cripto/financeiro interessado em passar informações relevantes, usando palavras não complexas para atingir todo tipo de público. Para além de escrever, gosta de ver filmes, cozinhar e explorar os restaurantes da cidade de Lagos, onde reside.

Fonte: www.coinspeaker.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta