Tether congela US$ 5,2 milhões em USDT de 12 endereços suspeitos

0
28

Um porta-voz da Tether afirmou que a decisão de bloquear endereços que usam USDT para comprar petróleo da PDVSA faz parte do compromisso da empresa em impedir pagamentos vinculados às entidades sancionadas pela OFAC.

O principal emissor global de stablecoin, Tether, mais uma vez tomou medidas contra carteiras criptográficas suspeitas de estarem envolvidas em lavagem de dinheiro e outras atividades ilegais, incluindo a violação de sanções impostas pelos governos federais. Em 14 de maio, a plataforma de segurança blockchain MistTrack anunciou que a empresa havia congelado US$ 5,2 milhões na stablecoin USDT pertencente a 12 endereços. Esses endereços foram identificados como “endereços banidos do USDT” pelo MistTrack, sugerindo seu envolvimento em atividades proibidas.

Suspeita de lavagem de dinheiro

Outra empresa de segurança blockchain, SlowMist, sugeriu que os endereços congelados poderiam estar ligados a atividades de lavagem de dinheiro. No entanto, a Tether ainda não emitiu uma declaração oficial sobre a apreensão.

No ano passado, a TRM Labs, uma empresa de análise de blockchain que trabalha com agências de aplicação da lei nos Estados Unidos, rotulou o USDT da Tether como uma “moeda preferida” para o financiamento do terrorismo, levando a Tether a fortalecer suas medidas de conformidade.

Em resposta, o emissor da stablecoin reiterou seu compromisso de trabalhar em estreita colaboração com as agências policiais em todo o mundo para combater o terrorismo e a guerra financiados por criptografia.

Desde então, a Tether tem impedido ativamente que endereços suspeitos usem seu USDT para cometer crimes e evitar sanções governamentais.

Em abril, a Tether anunciou sua decisão de bloquear endereços de carteiras usando sua stablecoin para contornar sanções às exportações de petróleo na Venezuela. A ação seguiu-se a relatos de que a empresa petrolífera estatal venezuelana PDVSA pretendia usar o USDT para contornar as novas sanções dos EUA ao seu setor petrolífero.

A empresa venezuelana tem utilizado ativos digitais para gerir as suas operações há mais de um ano, mas planeia aumentar a sua utilização agora para gerir os desafios económicos impostos pela sanção.

Um porta-voz da Tether afirmou que a decisão de bloquear endereços que usam USDT para comprar petróleo da PDVSA faz parte do compromisso da empresa em impedir pagamentos vinculados a entidades sancionadas pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC).

Ações anteriores contra atividades ilícitas

No passado, o Tether colocou na lista negra várias carteiras criptográficas ligadas a atividades ilícitas.

No ano passado, a empresa congelou 32 carteiras contendo US$ 873.118,34, que foram consideradas envolvidas em atividades ilícitas em Israel e na Ucrânia. Esta medida ocorreu depois que a polícia israelense congelou contas criptográficas usadas para solicitar doações para o Hamas nas redes sociais, após um ataque que matou 1.300 pessoas em 7 de outubro.

Naquele mesmo ano, a empresa colocou na lista negra 160 carteiras criptográficas vinculadas à lista sancionada pela OFAC. No entanto, dos 160 endereços, apenas alguns possuíam sua stablecoin USDT avaliada em cerca de US$ 3,9 milhões.

Mais tarde, em 2022, Tether congelou um endereço Ethereum contendo mais de US$ 1 milhão em USDT e outras criptomoedas, marcando o maior valor apreendido de um único endereço até o momento. No entanto, além de confiscar endereços, o Tether também ajudou na recuperação de fundos de hackers que exploram vulnerabilidades no mercado criptográfico para ganho pessoal.

próximo

Notícias Altcoin, Notícias sobre criptomoedas, Notícias

Fonte: www.coinspeaker.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here