Silvergate Bank enfrenta ação coletiva sobre suposto papel na fraude FTX

0
62

Em sua defesa, a Silvergate argumentou que não tinha o dever de diligência para com os clientes da FTX e que as suas ações não eram um fator significativo na incapacidade dos clientes de levantar fundos.

Um juiz federal permitiu que uma ação coletiva avançasse contra o extinto Silvergate Bank. O processo afirma que o banco desempenhou um papel importante na assistência à falida bolsa de criptomoedas FTX e à sua empresa comercial associada, Alameda Research.

A juíza Ruth Bermudez Montenegro, do tribunal federal de San Diego, tomou a decisão em 20 de março, rejeitando a tentativa do banco de encerrar o caso. O juiz afirmou que as alegações dos demandantes têm mérito suficiente para continuar. Ela também alegou que a instituição financeira estava ciente das atividades ilegais da FTX, mas optou por ignorá-las e beneficiar-se delas.

O documento judicial revelou que os réus estavam cientes da fraude que acontecia através das contas FTX e Alameda em Silvergate, mas também ajudaram ativamente a perpetrá-la. O documento divulgado afirmava:

“Os réus não apenas sabiam da fraude perpetrada por meio das contas FTX e Alameda em Silvergate, mas também ajudaram substancialmente a FTX, Alameda e SBF a perpetrar essa fraude.”

A juíza Ruth também questionou a criação pelo banco da Silvergate Exchange Network (SEN), um sistema de pagamento projetado para facilitar transferências de fundos dentro do espaço da moeda digital. O tribunal afirmou que a rede foi criada principalmente para o benefício dos usuários da FTX e, portanto, a instituição financeira tinha a obrigação de proteger os clientes da bolsa. Sem os serviços fornecidos pela SEN, seria um desafio operar bolsas de criptomoedas como a FTX. O juiz observou que, apesar de estar ciente dos riscos associados ao trabalho com empresas de criptografia, o Silvergate rapidamente fez a transição para um “banco focado em criptografia”.

Em sua defesa, a Silvergate argumentou que não tinha o dever de diligência para com os clientes da FTX e que as suas ações não eram um fator significativo na incapacidade dos clientes de levantar fundos. O banco alegou que os danos sofridos pelos clientes não foram causados ​​pela sua conduta. No documento divulgado, a defesa do banco argumentou:

“Os réus argumentam que a alegação de negligência dos Requerentes falha por uma questão de lei porque os Réus não deviam aos Requerentes um dever de cuidado e porque a conduta dos Requerentes não causou o alegado dano aos Requerentes.”

O relacionamento lucrativo da Silvergate com a FTX

O banco foi ainda acusado de fornecer serviços bancários à FTX e à Alameda Research, processar transferências e aceitar depósitos que direcionavam os fundos dos clientes da extinta bolsa para as contas da Alameda. Isso foi feito porque a FTX inicialmente não possuía conta bancária própria, levantando preocupações sobre a mistura de fundos de clientes com os de outra entidade.

O réu rebateu a afirmação, afirmando que se tivessem recusado as transferências da FTX, a bolsa teria encontrado outro banco para facilitar suas operações. No entanto, o juiz rejeitou este argumento, sustentando que as posições do banco eram especulativas e enfatizando que o Silvergate era um dos poucos bancos dispostos a servir a indústria das criptomoedas naquele momento.

O impacto financeiro do envolvimento do banco com a FTX também é significativo. De acordo com a declaração do tribunal, seu lucro líquido anual era de apenas US$ 7,6 milhões antes da parceria com a FTX. No entanto, após a colaboração, a receita anual subiu para US$ 75 milhões. Este aumento substancial na receita foi derivado de taxas de transação e juros gerados por contas relacionadas à FTX, indicando que o Silvergate se beneficiou enormemente de seu relacionamento com a bolsa em colapso.

próximo

Notícias Altcoin, Notícias sobre criptomoedas, Notícias

Fonte: www.coinspeaker.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta