Quebrando a hegemonia do dólar, as nações do BRICS estão levando o mundo à hiperbitcoinização

0
248

Como o surgimento do BRICS como alternativa ao domínio global do dólar norte-americano dará início à adoção mundial do bitcoin.

Este é um editorial de opinião de Milan Stanojevic, professor do ensino fundamental e cineasta.

Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos têm sido consistentemente a superpotência global dominante. A União Soviética disputou a superioridade durante a Guerra Fria, mas acabou fracassando ao perder o controle de seus estados satélites. Isso ficou evidente quando o Muro de Berlim caiu em 1989.

Nos últimos anos, a hegemonia americana foi desafiada pela China, uma nação que acumulou uma enorme riqueza desde que abriu sua economia para o mundo. A China agora parece prestes a usurpar o poder global enquanto continua a se envolver em uma forma de imperialismo financeiro em todo o mundo (para saber mais, leia “China Unbound” de Joanna Chiu). Hoje, tanto a Rússia quanto a China fazem parte de um quadro global conhecido como BRICS, que inclui Brasil, Índia e África do Sul – com outros países, como Turquia e Arábia Saudita, talvez esperando nos bastidores para se juntar também.

Caso você não tenha prestado atenção, o mundo está passando por uma grande mudança de paradigma, com o BRICS no centro. Bancos em todo o mundo estão falindo, a Arábia Saudita e o Irã estão negociando negociações de paz históricas e os países estão começando a se desviar do dólar americano como moeda de reserva mundial.

Uma questão importante a considerar, então, é como o estado atual da geopolítica e macroeconomia molda o futuro de um mundo hiperbitcoinizado? Reconheço que ninguém pode prever o futuro com certeza real, no entanto, gostaria de compartilhar minha visão de como a teoria dos jogos funciona ao longo do tempo.

Acredito que, nas próximas décadas, o surgimento dos BRICS como alternativa à hegemonia dos EUA fará com que a economia global evolua em três fases: A primeira fase será um pivô de um mundo financeiro unipolar para um mundo multipolar. Na fase dois, o Bitcoin se torna um meio de troca e unidade de conta para muitas nações. Na terceira e última fase, experimentamos a hiperbitcoinização real.

Fase Um: Do USD ao Ouro

A maioria das pessoas não tem ideia de que isso está acontecendo, mas já estamos nos estágios iniciais da fase um e da criação de um mundo multipolar.

Na década de 1970, sob o presidente Nixon, a Arábia Saudita concordou em precificar seu petróleo em dólares americanos em troca de defesa militar. Essencialmente, todos os outros países foram forçados a manter dólares americanos como resultado, tornando-se assim a moeda de reserva global. Ter um privilégio tão exorbitante significa que toda vez que o governo dos EUA decide imprimir dinheiro, ele pode comprar petróleo de graça. Como resultado de ser a moeda de reserva global, os títulos do tesouro dos EUA tornaram-se o ativo mais seguro para os investidores (eu sei que esta afirmação parece cômica hoje). O consenso é que não há chance de os Estados Unidos deixarem de pagar sua própria dívida, uma vez que podem imprimir ad infinitum. Estados-nação adquiriram níveis enormes de dívida dos EUA por mais de 50 anos.

Isso não é mais verdade para todas as nações, no entanto. A China e a Rússia compraram menos títulos do tesouro na última década. Em vez de manter a dívida dos EUA como um ativo, eles aumentaram suas reservas de ouro. A Índia também está acumulando um estoque de ouro. Parece que os países do BRICS estão trabalhando para retornar ao padrão-ouro. Sob esse regime, as moedas seriam mais uma vez atreladas a uma mercadoria escassa que muitos usaram como reserva de valor por milhares de anos. Mas é improvável que esses estados liquidem a maioria das transações usando ouro físico, dada a dificuldade de transportá-lo e protegê-lo. O que é certo, porém, é que a Rússia está agora permitindo que os países comprem seu petróleo em rublos, yuans e, talvez em breve, rúpias. Nesta fase, uma minoria de nações continuará a diminuir suas participações no tesouro dos EUA, fazer transações em moedas estrangeiras e adquirir tanto ouro quanto for humanamente possível.

O resto do mundo, particularmente no Ocidente, continuará a funcionar como desde a década de 1970. Muitos países ainda serão forçados a manter dólares americanos para comprar petróleo. A dívida americana, ações e imóveis continuarão a servir como uma reserva de valor para a maioria dos cidadãos. E as moedas fiduciárias, particularmente o dólar americano, servirão como unidades de conta dominantes. Prevejo que esta primeira fase não durará mais de 20 anos.

Durante o curso desta fase, muitos países provavelmente deixarão de pagar suas dívidas e sofrerão colapsos cambiais. Eles começarão a negociar localmente em dólares americanos, da mesma forma que algumas nações fazem até hoje. O aumento da dívida em relação ao PIB e os níveis de inflação, juntamente com aumentos de impostos e desemprego, levarão a uma agitação massiva. Os governos precisarão desesperadamente de uma solução para um problema insolúvel.

Fase dois: o começo de uma nova era

A fase dois marca o início de uma nova era; é quando não haverá outra escolha a não ser mudar para um sistema monetário fundamentalmente diferente. Neste momento, as nações não pertencentes ao BRICS adotarão rapidamente o bitcoin como meio de troca e unidade de conta. Isso significa que todos são pagos em bitcoin e o usam como reserva de valor. Os imóveis ainda serão de propriedade, mas as pessoas o comprarão como um lugar para chamar de lar, e não como um lugar para guardar sua riqueza. As ações ainda serão compradas e negociadas, mas o bitcoin será considerado o principal veículo de economia para todos. Soberanos e indivíduos (como você, provavelmente) que acumularam bitcoins por anos se tornarão insanamente ricos em um período de tempo muito curto.

Nessa fase, a globalização não será tão impactante quanto hoje, pois os países do BRICS estarão alienados do resto do mundo. A China e a Rússia farão comércio quase exclusivamente com seus aliados, o que acabará por enfraquecer suas economias. Esses estados competirão na produção de ouro e a unidade de troca dominante variará de tempos em tempos. A fase dois acontecerá mais rapidamente do que a fase um, talvez em menos de 10 anos.

Frase Três: Hiperbitcoinização

A terceira e última fase é menos complicada. A maior parte do mundo já fez a transição para um padrão bitcoin. As nações que ainda não o fizeram perceberão o aumento da riqueza e do padrão de vida no exterior. A essa altura, El Salvador terá se tornado um dos países mais ricos do mundo. As nações que ainda seguem o padrão-ouro sofrerão por estarem isoladas do resto do mundo. A confiança no sistema atual desaparecerá.

Além disso, as pessoas reconhecerão que, comparado ao bitcoin, o ouro é uma reserva de valor inferior. Verificar a autenticidade do ouro é difícil. Transportar e protegê-lo é ainda mais oneroso. Rússia, China e seus aliados não terão outra opção a não ser adotar o bitcoin como meio de troca local e unidade de conta. A fase três também acontecerá rapidamente. Eu prevejo que isso ocorrerá em cinco a 10 anos.

É assim que vejo a teoria dos jogos se desenrolando nos próximos 20 a 30 anos. Talvez a maioria, se não todas, das minhas previsões estejam erradas. O que tenho certeza, no entanto, é que nosso mundo está realmente mudando rapidamente. Nosso sistema monetário está falido. Isso se reflete na atual crise bancária.

Mesmo que a maioria das minhas previsões esteja incorreta, precisamos desesperadamente de um retorno a um sistema monetário sólido. Bitcoin é a única solução viável na minha humilde opinião. Pode ser sábio empilhar alguns sats agora enquanto você ainda pode. Você ou seus filhos podem se beneficiar muito com isso no futuro.

Este é um post convidado por Milan Stanojevic. As opiniões expressas são inteiramente próprias e não refletem necessariamente as da BTC Inc ou da Bitcoin Magazine.

Fonte: bitcoinmagazine.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta