JPMorgan apoia oferta da Riot Platforms para adquirir Bitfarms

0
37

A Riot também destacou que a fusão seria vantajosa para os acionistas das duas empresas.

Analistas do JPMorgan, uma empresa multinacional americana de serviços financeiros, apoiam a proposta da Riot Platforms de adquirir a empresa rival Bitfarms para construir o maior centro de mineração de Bitcoin (BTC) de capital aberto do mundo.

A Riot declarou oficialmente sua intenção de adquirir a Bitfarms na terça-feira, propondo comprar todas as ações em circulação da BITF por US$ 2,30 por ação. Esta oferta representa um prêmio de 24% sobre o preço médio ponderado pelo volume de um mês da empresa em 24 de maio, traduzindo-se em um valor patrimonial de aproximadamente US$ 950 milhões.

De acordo com um relatório de quarta-feira, os analistas do JPMorgan consideraram a oferta estratégica e financeiramente sólida. Eles acreditam que o acordo “faz muito sentido” se for aceito.

Riot compra participação de 9,25% na Bitfarms

A Riot já havia tentado adquirir a Bitfarms de forma privada, sem divulgá-la ao público. No entanto, a oferta foi rejeitada pelo conselho da Bitfarms no mês passado.

Implacável com a rejeição, a Riot adquiriu uma participação de 9,25% na Bitfarms, tornando-se um dos seus maiores acionistas.

À luz desta oferta renovada, a empresa pretende convocar uma assembleia extraordinária de acionistas para abordar a sua proposta, que acredita que beneficiaria ambas as empresas.

Durante a reunião, a empresa deseja discutir a nomeação de um novo diretor independente para o conselho da Bitfarms, citando preocupações quanto ao compromisso de certos diretores em agir no melhor interesse de todos os acionistas. A Riot acredita que a rejeição inicial resultou de alguns diretores da Bitfarms que não representavam todos os interesses dos acionistas. Agora, a empresa quer discutir a proposta diretamente com os acionistas.

“Estamos profundamente preocupados que os fundadores do conselho da Bitfarms – Nicolas Bonta e Emiliano Grodzki – possam não estar agindo no melhor interesse de todos os acionistas da Bitfarms”, disse Jason Les, CEO da Riot.

Ele observou que a demissão repentina do CEO da Bitfarms, Geoffrey Morphy, que foi demitido após alegações de violação de contrato sem um “plano de transição em vigor em um período crítico de execução para a Bitfarms e a indústria levanta sérias questões de governança”.

Promessas propostas de fusão

Enquanto a indústria antecipa o resultado da aquisição proposta, o presidente executivo da Riot, Benjamin Yi, disse que a aquisição será benéfica para ambas as empresas.

Ele observou que a fusão com a Bitfarms lhes permitiria reunir recursos e criar a maior empresa de mineração de Bitcoin do mundo.

“Uma combinação de Bitfarms e Riot criaria a principal e maior mineradora de Bitcoin de capital aberto do mundo, com operações geograficamente diversificadas e bem posicionadas para crescimento de longo prazo”, disse Yi.

A Riot também destacou que a fusão seria vantajosa para os acionistas das duas empresas. A aquisição estabeleceria uma empresa de mineração de Bitcoin verticalmente integrada com até 1,5 GW de capacidade de energia e capacidade de auto-mineração de 52 EH/s até o final do ano.

A empresa combinada operaria 15 instalações nos Estados Unidos, Canadá, Paraguai e Argentina, garantindo a diversificação geográfica e beneficiando-se de acordos energéticos favoráveis.

próximo

Notícias sobre Bitcoin, Notícias de Negócios, Notícias sobre Criptomoedas, Notícias sobre Ofertas, Notícias

Fonte: www.coinspeaker.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here