Fiat degrada casamento

0
36

A seguir está um trecho sobre a degradação do casamento de “Fiat Ruins Everything”, de Jimmy Song. Visite a Bitcoin Magazine Store para solicitar uma cópia impressa, digital ou em áudio do livro.

O AMOR FOI degradado.

No passado, o amor referia-se às virtudes presentes em relacionamentos íntimos e duradouros. Exigia sacrifício, disciplina e paciência. Os escritores clássicos viam o amor como uma virtude devido à sua dificuldade inerente. Parafraseando o apóstolo Paulo, o amor é paciente, gentil, sem inveja e humilde.59 Cultivar essas qualidades requer um tremendo trabalho interno e autoaperfeiçoamento.

Hoje, porém, o amor é frequentemente usado para descrever qualquer sentimento ou desejo forte, como “Adoro sorvete” ou “Adoro meu trabalho”. O que antes era o auge das virtudes foi reduzido a expressar a intensidade de emoções fugazes. A palavra amor foi mais desvalorizada do que troféus em competições infantis.

Embora o conceito de amor tenha sido desvalorizado, este ensaio não é apenas uma diatribe sobre a linguagem. Certamente lamento a perda de sentido das palavras, mas há questões mais urgentes em questão. Em vez disso, este capítulo centrar-se-á nas consequências práticas da degradação do amor na civilização – a instituição do casamento.

A desvalorização do amor não é apenas uma questão linguística; teve implicações profundas para a sociedade. Em particular, contribuiu para a quebra da unidade familiar e para o aumento de um comportamento de elevada preferência temporal. A elevada preferência temporal refere-se à tendência de dar prioridade à gratificação a curto prazo em detrimento dos benefícios a longo prazo, e infiltrou-se em todos os aspectos da vida moderna, incluindo os relacionamentos.

Divórcio sem culpa

Em 1969, Ronald Reagan, como governador da Califórnia, aprovou a lei do Divórcio Sem Culpa – a primeira do género nos Estados Unidos.60 A lei visava reduzir a amargura em torno do divórcio. Antes da sua promulgação, deveria haver motivos válidos para terminar uma união conjugal. Por exemplo, se uma esposa quisesse abandonar o casamento antes de 1969, ela precisava fornecer um motivo, como abuso físico ou infidelidade por parte do marido.

No entanto, muitas pessoas procuraram abandonar o casamento sem motivos válidos, o que levou a motivos fabricados e à difamação do carácter. A primeira esposa de Ronald Reagan, por exemplo, citou a crueldade mental como motivo do divórcio.61 A lei do divórcio sem culpa pretendia eliminar a necessidade de tais acusações falsas, semelhante à política dos pais de “Não me importa quem começou” e punir os dois filhos numa briga, independentemente da causa real.

A lei rapidamente ganhou popularidade e todos os estados dos EUA a adotaram, muitos poucos anos após a lei de 1969 da Califórnia.62 Infelizmente, como muitas regulamentações governamentais, os resultados foram involuntários e prejudiciais.

Com uma retrospectiva de mais de meio século, podemos concluir com segurança que a lei do Divórcio Sem Culpa não reduziu a amargura nos processos de divórcio, mas piorou-os.63 A lei não conseguiu pôr fim às falsas acusações, aos ataques de carácter e ao trauma geral associado ao divórcio, mas tornou-os piores. A indústria do divórcio floresceu, enquanto a instituição do casamento foi degradada.64 Então, o que deu errado com essa lei? Para explorar, precisamos compreender dois fatos históricos sobre o casamento.

Primeiro, o casamento é fundamentalmente um contrato ou uma promessa, tradicionalmente centrado na fidelidade para toda a vida. Embora isto possa parecer restritivo, serve um propósito crucial: proporcionar um ambiente estável para a criação dos filhos. A estabilidade da união parental é vital para o bem-estar da prole, por isso as restrições do casamento existem principalmente para beneficiar os filhos, em vez de facilitar a felicidade pessoal.

Em segundo lugar, o casamento existiu historicamente fora do controle governamental. A regulamentação governamental do casamento é um desenvolvimento relativamente recente, principalmente enraizado em tentativas históricas de prevenir os casamentos inter-raciais e a poligamia.65 O registo de casamento tornou-se obrigatório para fazer cumprir estas restrições de cima para baixo. A lei do Divórcio Sem Culpa é outro exemplo de regulamentação governamental com consequências indesejadas, corroendo ainda mais a santidade do casamento e o ambiente estável que foi concebido para proporcionar.

Todo casamento está aberto

Com o divórcio sem culpa, qualquer uma das partes pode rescindir o contrato sem atribuir culpa. Consequentemente, os contratos de casamento não podem exigir legalmente fidelidade, uma vez que a opção de divórcio está disponível independentemente de um dos parceiros trair ou não. Em essência, não há repercussões legais para a infidelidade, e os resultados do divórcio normalmente dependem de quem tem o advogado mais qualificado, e não de quem quebrou o acordo.

Legalmente falando, o casamento tornou-se um contrato fraco e pouco exigente. Embora você certamente possa prometer permanecer fiel ao seu parceiro, não há consequências legais para quebrar esse voto. Do ponto de vista do governo, todos os casamentos são essencialmente casamentos abertos. Esta situação é semelhante a oferecer doces a pacientes diabéticos em todas as refeições – ela mina os próprios fundamentos do que o casamento deveria representar.

Como chegamos a este ponto? A fidelidade não foi sempre um aspecto crucial do casamento? A noção de prometer lealdade é tão desafiadora?

Historicamente, a maior parte da instabilidade das famílias resultou de factores externos, como guerra, peste ou fome. Apesar destes desafios, os casamentos proporcionaram ambientes estáveis, permitindo que as crianças prosperassem. Hoje, porém, a instabilidade familiar resulta muitas vezes de circunstâncias internas, com quase metade de todos os casamentos a terminarem em divórcio.66 e taxas de fertilidade em mínimos históricos.67 Para muitos, o casamento já não se concentra principalmente na criação dos filhos.

Ao longo do século passado, houve uma mudança significativa na percepção do casamento. Se você falasse com alguém há 100 anos, os valores associados ao casamento girariam em torno do dever para com os filhos, do sacrifício pela comunidade e da obrigação para com a família.68 Nas discussões contemporâneas sobre o casamento, a conversa frequentemente se volta para o amor. A diferença entre essas perspectivas é impressionante. Uma é uma visão do casamento centrada na comunidade, enquanto a outra é egocêntrica. Regredimos a uma mentalidade infantil, acreditando que as instituições comunitárias deveriam girar em torno dos nossos desejos pessoais.

A palavra L

“Love is all you need” não é apenas uma letra dos Beatles, mas uma crença que muitas pessoas genuinamente defendem. No entanto, considerando a degradação da palavra “amor”, esta afirmação é incrivelmente egocêntrica. Para a maioria das pessoas, o casamento é buscado pela felicidade pessoal, com o desejo de experimentar fortes sentimentos de amor. No entanto, esses sentimentos muitas vezes resultam do compromisso, do sacrifício e da responsabilidade que são frequentemente esquecidos.

Muitas pessoas desejam as recompensas sem trabalhar, refletindo uma mentalidade fiduciária. Eles desejam atirar como Steph Curry, sem qualquer prática de tiro. É de admirar que muitas vezes eles erram o alvo?

Tal como a forma como um foco excessivo no desemprego levou ao raciocínio falho da economia keynesiana, uma obsessão pelo “amor” em detrimento de outros aspectos contribuiu para a degradação do casamento.

Quando as pessoas discutem “amor”, normalmente se referem a um estado interno que desejam, e não à virtude em si. Eles querem estar “apaixonados” ou experimentar uma euforia emocional semelhante a uma onda de açúcar. Esta visão egocêntrica domina as perspectivas contemporâneas sobre o casamento, transformando-o num caminho para a felicidade pessoal.

Como afirmado acima, o casamento foi historicamente planejado para criar os filhos e constituir família. Este objectivo entra em conflito com a noção egocêntrica do casamento, especialmente se os filhos impedem a felicidade pessoal.

O divórcio sem culpa essencialmente endossou e legitimou a teoria da felicidade pessoal do casamento. Consequentemente, não é surpresa que as taxas de natalidade estejam a cair, que se formem menos famílias e que a maternidade seja retratada como ultrapassada. Quando a felicidade se torna o foco central, há pouco espaço para as crianças. Sob este paradigma, conceitos como dever, ordem e sacrifício perdem o seu significado.

Clique aqui para solicitar uma cópia de “Fiat Ruins Everything: How Our Financial System is Rigged and How Bitcoin Fixes It”, de Jimmy Song.

Dinheiro Fiat causou degradação do casamento

A degradação do dinheiro contribuiu significativamente para a degradação do casamento. A ruptura do dólar com o ouro em 1971 deveu-se parcialmente aos numerosos programas sociais da década de 1960. Em particular, os programas da Grande Sociedade de LBJ, como o Medicare, exerceram uma pressão significativa sobre o dólar, levando à decisão tomada em 1971.69 Os EUA estavam a gastar dinheiro que não tinham porque era a moeda de reserva global.

Esses programas visavam fornecer uma rede de segurança social para os pobres. No entanto, o seu efeito foi substituir casamentos, famílias e comunidades por programas de benefícios. A lei do divórcio sem culpa fazia parte da mesma tendência social dos programas da Grande Sociedade. Procuraram reduzir os conflitos através do dinheiro, e o bem-estar pessoal tornou-se um mandato do governo com o advento da moeda fiduciária. O dinheiro fiduciário, por outras palavras, criou uma expectativa de que o governo proporcionasse felicidade ao povo e que o foco na felicidade acabasse por degradar o casamento.

A ênfase na felicidade pessoal decorre da responsabilidade moral do impressor de dinheiro. Se o governo puder imprimir dinheiro para resolver um problema, isso logo se tornará uma obrigação moral. O divórcio sem culpa e os programas de assistência social faziam parte desta tendência de o governo “resolver” os problemas das pessoas. O dinheiro fiduciário tornou todos consumidores de bens governamentais, em vez de produtores para a sociedade, e isso levou a uma ética baseada na felicidade pessoal. O dinheiro fiduciário degradou o dever, a responsabilidade e o sacrifício, e isso, por sua vez, degradou o casamento.

A subsequente degradação do casamento prejudicou mais os pobres. Em particular, a degradação do casamento devastou a comunidade negra. Em 1950, uma percentagem mais elevada de mulheres negras já tinha casado aos 35 anos do que de mulheres brancas.70 A combinação de programas sociais, a ênfase na felicidade individual e a degradação do casamento contribuíram para a dissolução das famílias negras.71 A atitude negligente que o governo tinha em relação ao casamento tornou-se uma realidade para aqueles que menos podiam pagar.

Bitcoin promove pensamento de longo prazo

É inspirador ver muitas pessoas na comunidade Bitcoin se casando. Aprofundar-se no Bitcoin incentiva uma mentalidade de longo prazo. À medida que você adota um comportamento de baixa preferência temporal com seu dinheiro, ele naturalmente se estende a outros aspectos da vida. Uma das preocupações mais significativas a longo prazo é encontrar um significado, e a família oferece um profundo senso de propósito. O comportamento de baixa preferência temporal favorece a formação de famílias.

Esta motivação contrasta fortemente com a mentalidade social predominante de busca da felicidade pessoal. Com foco no longo prazo, há espaço para sacrifício, responsabilidade e comprometimento, que inevitavelmente ficam ofuscados na busca pela felicidade pessoal. A visão tradicional do casamento alinha-se com o comportamento de baixa preferência temporal. Os filósofos antigos chamariam o comportamento de baixa preferência temporal de prudência ou sabedoria. É exatamente o antídoto para seguir os ditames de impulsos emocionais fugazes como o “amor”. O Bitcoin ajuda a nos libertar de nossa auto-indulgência narcisista.

Os Beatles estavam errados. O amor não é tudo que você precisa.

Dez coisas que você não fará por amor

– 1 –

Guarde o telefone e experimente a vida, porque quem precisa de conexão humana quando você tem Wi-Fi?

– 2 –

Tolere o ganho de peso ou o desemprego de seu parceiro, porque a aparência deles é mais importante do que o compromisso com o qual você se comprometeu.

– 3 –

Desinstale o Tinder, porque deslizar para a esquerda e para a direita em estranhos é uma opção necessária para validação externa.

– 4 –

Venda seu incrível personagem MMORPG no eBay, porque seu eu virtual tem mais pontos de experiência e uma montaria mais legal do que seu relacionamento na vida real.

– 5 –

Deadlifts, porque não tem como você fazer algo consistente e difícil.

– 6 –

Pare de beber, porque quem precisa de um fígado saudável e uma mente clara quando você pode tomar doses de tequila e ter habilidades de tomada de decisão questionáveis?

– 7 –

Tenha filhos, porque evitar uma minivan e trocas intermináveis ​​de fraldas nos próximos anos é mais importante do que o legado de sua vida.

– 8 –

Uma dieta cetogênica por mais de alguns meses, porque a pizza é a sua linguagem do amor.

– 9 –

Aproveite um encontro chato, como uma aula de ópera ou cerâmica, porque nada é mais importante do que se divertir.

– 10 –

Economize e livre-se das dívidas, porque nada representa mais romance do que estar enterrado sob uma montanha de estresse financeiro e extratos intermináveis ​​de cartão de crédito.

Clique aqui para visitar a loja Bitcoin Magazinepara solicitar uma cópia impressa, digital ou em áudio de “Fiat Ruins Everything” de Jimmy Song.

Fonte: bitcoinmagazine.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here