Ethereum L2 Network Blast lança sua rede principal e desbloqueia US$ 2,3 bilhões em fundos bloqueados

0
72

A rede principal do Blast já está ativa, permitindo que mais de 180.000 usuários desbloqueiem cerca de US$ 2,3 bilhões em fundos, que atraíram US$ 85 milhões em rendimento anual.

A rede Ethereum camada 2 (L2) Blast lançou sua rede principal, desbloqueando cerca de US$ 2,3 bilhões em criptografia apostada bloqueada na rede. O L2 lançou sua rede principal às 21h UTC de quinta-feira.

Lançamento da rede principal Road to Blast

Em um X oficial publicar, a Blast anunciou que os usuários do Early Access agora estão livres para fazer a ponte para a rede principal e usar aplicativos descentralizados (Dapp) exclusivos da rede Blast. Durante a fase de acesso antecipado, que começou em novembro passado, 181.888 membros da comunidade doaram US$ 2,3 bilhões para o Blast. Esses membros ganharam um total de US$ 85 milhões por ano por meio de Blast Points e rendimento nativo. No Blast, os saldos de ETH e stablecoin geram rendimentos automaticamente, recurso que visa aumentar a eficiência de capital da rede e ampliar as possibilidades por meio de seus Dapps. Em novembro, Explosão arrecadou US$ 20 milhões das empresas de capital de risco Paradigm e Standard Crypto.

A Blast está planejando um lançamento aéreo para membros de sua comunidade. Embora detalhes específicos sejam desconhecidos, o plano é compartilhar 50% do lançamento aéreo com os usuários por meio de Blast Points e a outra metade por meio de Blast Gold (Dapps). O airdrop Blast Gold será distribuído aos Dapps quinzenalmente. Embora alguns Dapps já tenham se comprometido a compartilhar isso com os usuários, os aplicativos descentralizados são livres para ficar com os lucros do lançamento aéreo para si.

De acordo com informações em seu site oficial, o Blast possui alguns recursos interessantes, incluindo rebase automático e piquetagem. Ele também explica que a Blast retorna a receita líquida de gás para Dapps de forma programática, ao contrário de outras redes L2 que retêm taxas de gás.

Controvérsia Explosiva

Apesar de ter acabado de lançar sua rede principal, o Blast já enfrentou sua cota de polêmica. Novembro passado, Explosão divulgado um erro que fez com que um usuário perdesse US$ 100 mil após um parâmetro de slippage configurado incorretamente após converter o depósito do usuário em DAI. A Blast anunciou que devolveria os fundos perdidos e acrescentaria uma compensação de 10%.

A rede explicou, em resposta a uma pergunta, que os fundos vêm de “contribuidores do Blast”, referindo-se aos US$ 20 milhões arrecadados. No entanto, Blast e Paradigm tiveram seus problemas. No mesmo mês, o chefe de pesquisa da Paradigm, Dan Robinson, discordou publicamente do plano da Blast de lançar a ponte antes do L2. Robinson também disse que a Paradigm não gostou do plano de evitar retiradas por três meses, acrescentando que é um mau precedente para outros projetos. Além disso, Robinson disse que o marketing da empresa “barateia o trabalho de uma equipe séria”.

O executivo da Paradigm observou que o VC e o Blast têm discutido essas divergências. No entanto, Robinson destacou que a Paradigm investe em “fundadores fortes e independentes com os quais nem sempre concordamos”.

O rendimento impressionante do Blast gerou rumores no ano passado de que a plataforma é uma Ponzi. O fundador Tieshun “Pacman” Roquerre respondeu aos rumores, explicando a origem dos rendimentos. Em um X fio, Pacman disse que o rendimento vem do Lido e do MakerDAO. Ele explicou que o rendimento do Lido vem do rendimento de staking da ETH, que vem da própria rede Ethereum. Ele então acrescentou que o rendimento do MakerDAO vem de títulos do tesouro na rede. Segundo Pacman, “estes rendimentos não são insustentáveis”.

próximo

Notícias Blockchain, Notícias sobre criptomoedas, Notícias

Fonte: www.coinspeaker.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta