Escalando a liberdade: a tensão do Bitcoin entre ideologia e adoção

0
105

Desde a sua criação, há mais de 15 anos, o Bitcoin capturou a imaginação de libertários, anarquistas e uma variedade de outros defensores da liberdade individual e da soberania financeira. Para eles, o Bitcoin representava um desafio revolucionário ao dinheiro e à autoridade controlados pelo Estado. Como tal, passou a simbolizar uma mudança disruptiva em direcção a uma maior liberdade e autonomia para os indivíduos na sociedade moderna.

No entanto, à medida que o Bitcoin ganha força, há cada vez mais sinais de que ele pode estar abandonando suas raízes revolucionárias. O crescimento exponencial dos utilizadores e do valor de mercado correspondeu a uma diluição do espírito orientado para a liberdade que inicialmente definiu a tecnologia. Num futuro mundo hiperbitcoinizado, será que o Bitcoin ainda incorporará os ideais libertários que despertaram tanto entusiasmo entre os seus primeiros adeptos? Ou tornar-se-á apenas mais um activo financeiro compatível absorvido pela ordem monetária global existente?

Esta questão vai além dos debates filosóficos em torno do cripto-anarquismo e fala de decisões tangíveis que os desenvolvedores, mineradores e usuários enfrentarão na próxima década do Bitcoin. Há difíceis compromissos entre a visão cypherpunk de liberdade financeira total e os compromissos necessários para a escalabilidade. Navegar por essas escolhas determinará se o Bitcoin realizará seu potencial disruptivo ou sucumbirá às forças governamentais que originalmente procurou contornar.

Na sociedade contemporânea, a adopção da mentalidade libertária é muitas vezes considerada radical em contraste com a opinião dominante permitida – uma perspectiva reconhecida por muitos dentro da comunidade libertária. O desafio predominante reside na aceitação generalizada da superstição do estatismo, um sistema de crenças arraigado que os defensores da liberdade enfrentam conscientemente. Apesar da natureza formidável deste desafio, muitos libertários continuam empenhados em promover a liberdade através de iniciativas diversas e estratégicas. Os seus esforços colectivos visam não só desafiar o status quo, mas também instigar uma mudança profunda nas atitudes da sociedade em relação à liberdade.

A luta contra a aceitação predominante do estatismo é uma jornada contínua e, como defensores dedicados, reconhecem a necessidade de abordagens multifacetadas. Desde o envolvimento no discurso público até à promoção de iniciativas educativas, os seus esforços estão enraizados na convicção de que os princípios da liberdade são essenciais para uma sociedade próspera. Este compromisso estende-se para além das fronteiras ideológicas, abrangendo uma visão partilhada para um futuro onde as liberdades individuais sejam valorizadas e defendidas.

Como defensor da liberdade, a descoberta do Bitcoin marcou um momento crucial para mim. Ao iniciar minha jornada pela toca do coelho, não pude deixar de sentir uma empolgação estimulante com o projeto. Este protocolo criptográfico ofereceu uma forma dissimulada de separar o dinheiro do Estado, proporcionando uma nova forma prática de promover a liberdade durante a nossa vida. O Bitcoin incorporou os princípios da soberania individual e da autonomia financeira. Tornou-se um farol para aqueles que procuram alternativas aos sistemas centralizados coercivos do Estado.

O conceito encapsulado no meme “Bitcoin é um cavalo de Tróia para a liberdade” ressoou profundamente. Sugeriu que indivíduos, anteriormente indiferentes aos princípios da liberdade, poderiam inconscientemente adotá-los enquanto buscavam ganhos financeiros pessoais através do Bitcoin. A ideia de que a tecnologia de “aumento de número” é, em essência, uma “tecnologia de aumento de liberdade” secreta sublinhou o potencial transformador do Bitcoin no contexto mais amplo de avanço das liberdades individuais e de desafio às estruturas de poder tradicionais. Este aspecto acrescentou outra camada de significado à minha apreciação do papel do Bitcoin como uma força revolucionária dentro do movimento de liberdade mais amplo.

O Bitcoin demonstrou sua capacidade de capacitar indivíduos para contornar regimes autoritários. Organizações como a Human Rights Foundation e o Oslo Freedom Forum destacaram com eficácia histórias pessoais de como o Bitcoin transformou positivamente vidas em todo o mundo. Proporcionou às pessoas a capacidade de realizar transações utilizando moeda livre de degradação e censura governamental. Este sentimento repercute hoje na comunidade Bitcoin, expresso através de slogans como “nem suas chaves, nem suas moedas”, “seja seu próprio banco” e “estamos separando o dinheiro do Estado!” Existe uma riqueza de conteúdos educativos dedicados a promover estes princípios e a enfatizar o aumento da liberdade que acompanha a soberania monetária.

Além disso, o Bitcoin aumenta a liberdade individual ao permitir que indivíduos capazes de economizar possam armazenar seu valor em uma tecnologia de poupança que não está sujeita ao esquema Ponzi de moeda fiduciária do governo. Os indivíduos podem trocar numa moeda que o governo não pode censurar, proporcionando um meio seguro e resistente à censura para transações financeiras. Embora estas conquistas sejam dignas de nota e mereçam reconhecimento, há uma verdade incómoda que muitas vezes permanece não discutida ou mesmo ignorada: o desafio de aumentar o número de utilizadores soberanos na rede.

À medida que você se aprofunda no mundo do Bitcoin, gradualmente adotará uma perspectiva mais técnica. Embora alguns considerem esta compreensão intuitiva, outros podem enfrentar desafios. No entanto, você eventualmente enfrentará a realidade da escalabilidade do blockchain. Devido às limitações de tamanho do bloco, existe um limite de rendimento transacional para cada novo bloco. A solução de consenso adotada pela rede foi uma abordagem de escalonamento em camadas. Entre na Lightning Network, uma solução de segunda camada projetada para aumentar a densidade econômica das transações em cadeia. Ele permite que duas partes se envolvam em um canal com múltiplas assinaturas, facilitando uma infinidade de pagamentos para cada uma das poucas transações necessárias na cadeia, incluindo abertura, emenda e fechamento de canais. Apesar de questões como gestão de liquidez e requisitos online, esta maravilha da engenharia expande significativamente as capacidades de processamento de transações da rede, quase sem limites. O único problema: os custodiantes serão necessários para a maioria dos usuários.

Apesar da implementação atual da rede Lightning, ainda existe uma limitação quanto ao número de usuários soberanos que a rede pode acomodar. Apesar das melhorias no escalonamento de pagamentos, a rede Bitcoin só pode suportar de 10 a 100 milhões de usuários soberanos que atualizam os canais relâmpago algumas vezes por ano – sejam eles indivíduos, custodiantes únicos ou custodiantes federados que implementam sistemas eCash. Num mundo hiperbitcoinizado com mais de 8 mil milhões de pessoas, é fácil compreender as implicações. A realidade incômoda é que menos de um por cento da população global terá a capacidade de usar o Bitcoin de forma soberana.

Alcançar a soberania com o Bitcoin envolve ter controle exclusivo sobre um UTXO. Aumentar o número de utilizadores soberanos na rede requer esforços adicionais de engenharia e mudanças de consenso. É essencial estabelecer mecanismos de confiança minimizada para que os utilizadores partilhem um UTXO e resolvam disputas sobre a propriedade parcial do UTXO sem impor custos económicos excessivos para a resolução. Atualmente, há uma discussão contínua dentro de grupos da comunidade de desenvolvimento sobre como a ativação de acordos poderia começar a resolver essas questões, em particular como a CTV pode ajudar a dimensionar o Bitcoin como um alicerce inicial para soluções para esses problemas de dimensionamento de soberania.

A gravidade desta questão e a urgência que ela acarreta remetem para a medida em que se valoriza verdadeiramente o princípio da separação do dinheiro do Estado. Encontramo-nos num momento crucial, ponderando o curso e o significado do que realmente implica um mundo totalmente imerso na hiperbitcoinização. Sem intervenção, poderíamos encontrar-nos num futuro onde 99% da população necessitará de alguma forma de custódia para navegar nas complexidades da rede Bitcoin.

Este cenário potencial levanta uma preocupação legítima sobre o potencial controlo do Estado sobre a rede no futuro. A questão da urgência torna-se primordial. Embora eu me abstenha de defender um comportamento imprudente e uma implementação precipitada, há uma sensação discernível de que uma janela metafórica de oportunidade se está a fechar sobre nós.

Refletindo sobre a história do Bitcoin, torna-se evidente que ativar mudanças de consenso na rede torna-se progressivamente desafiador à medida que ela se expande. O crescimento da rede introduz complexidades, tornando exponencialmente mais difícil persuadir uma esmagadora maioria a adoptar uma actualização de protocolo, a menos que haja uma imensa procura para tal mudança. Esta visão diferenciada destaca a necessidade de considerar cuidadosa e prontamente a evolução da dinâmica do ecossistema do Bitcoin.

A minha preocupação gira em torno da necessidade premente de a maioria dos participantes valorizar genuinamente a liberdade individual, reconhecendo a sua importância na implementação de atualizações cruciais e na abordagem destas questões predominantes de expansão. Tendo me aventurado no reino do Bitcoin de um ponto de vista libertário, estou dolorosamente consciente da falta de respeito pela liberdade que prevalece entre a maioria da sociedade. Há um medo genuíno de que o Bitcoin, inicialmente uma pedra angular do movimento pela liberdade, possa gradualmente perder a sua essência e ser relegado a apenas mais um activo financeiro – primeiro gradualmente, depois subitamente.

Confrontar a realidade actual exige uma perspectiva pragmática e reconhecê-la pelo que ela é, em vez de uma ilusão. Para aqueles que partilham o peso das minhas preocupações, imploro-lhes veementemente que permaneçam firmemente enraizados e inabaláveis ​​no seu compromisso de defender a liberdade individual. Abrace, com convicção genuína, o papel fundamental que o Bitcoin desempenha no avanço desta causa. O caminho a seguir é formidável, exigindo um esforço unido profundamente ligado ao nosso propósito coletivo. Vamos enfrentar o desafio da expansão da soberania com autenticidade, plenamente conscientes do trabalho crucial que temos pela frente. Cada um de nós possui um papel único e indispensável neste empreendimento orgânico – vamos aceitá-lo com força autêntica e determinação inabalável.

Este é um post convidado de Michael Matulef. As opiniões expressas são inteiramente próprias e não refletem necessariamente as da BTC Inc ou da Bitcoin Magazine.

Fonte: bitcoinmagazine.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta