Credores acusam Genesis de manipular processo de falência no acordo FTX

0
215

As acusações de compra e manipulação de votos acrescentaram complexidade e incerteza ao caso de falência da Genesis.

O credor de criptografia falido Genesis Global Capital (GGC) está enfrentando novas acusações dos credores de que a transação proposta de US$ 175 milhões com o insolvente FTX troca é uma tentativa de manipular o processo de falência através da compra de votos.

Estas alegações, feitas em ficheiros recentes na quinta-feira, lançam uma sombra sobre os esforços da GGC para encerrar as suas operações e restaurar fundos a antigos clientes.

O relacionamento complexo da Genesis Global com o DCG

Uma das questões centrais no caso de falência da Genesis tem sido o tratamento de mais de um bilhão de dólares devidos pelo Digital Currency Group (DCG), empresa-mãe da Genesis Global. Esta dívida pendente tem sido uma fonte de discórdia, e a resolução desta questão tem sido um ponto significativo de discórdia entre os credores.

Em meados de agosto, Genesis e FTX entraram com um acordo legal que permite à Alameda Research da FTX reivindicar US$ 175 milhões do patrimônio da GGC. Este valor representa uma redução substancial em relação aos US$ 4 bilhões iniciais que a FTX buscava. No entanto, este acordo provisório não foi aprovado por todos os credores da Genesis Global.

Gêmeos, uma importante exchange de criptomoedas e um dos credores da Genesis que devia aproximadamente US$ 766 milhões, expressou insatisfação com o acordo proposto. Em um processo noturno, Gemini acusou Genesis de tentar manipular o processo de votação do plano, rotulando o acordo como um “acordo pré-plano querido”.

Essencialmente, Gemini argumentou que a proposta da Genesis não poderia ser aceite pelo seu valor nominal e levantou preocupações sobre a justiça do acordo. Os planos de falência normalmente exigem aprovação por meio de votação dos credores com base na proporção de seus créditos.

Os credores descontentes, incluindo Gemini e um grupo que se autodenomina “Grupo Fair Deal”, acusaram Genesis de tentar comprar o apoio dos devedores FTX e os seus votos. Eles consideram isto uma perversão do processo de falência do Capítulo 11.

Além disso, um grupo “ad hoc” de credores opôs-se veementemente às tentativas da FTX de recuperar os empréstimos. Esses credores descreveram a estratégia da FTX de reivindicar bilhões contra a Genesis como pouco mais do que uma tentativa de jogar tudo contra a parede e ver o que funciona.

O impacto do acordo Genesis FTX no processo de falência

Estas acusações de compra e manipulação de votos acrescentaram complexidade e incerteza ao caso de falência da Genesis. Se for comprovado, poderá atrasar significativamente a resolução da falência e potencialmente resultar em ações legais contra os envolvidos.

A Genesis, no entanto, argumentou que o acordo com a FTX ajudará a facilitar o caminho para a reorganização da empresa sem o peso de litígios prolongados. A empresa ainda não respondeu a essas alegações recentes.

No geral, o caso de falência da Genesis serve como um duro lembrete das dificuldades e problemas que podem ocorrer na indústria criptográfica, especialmente quando grandes somas de dinheiro estão em jogo. Resta saber como essa batalha legal acabará se desenrolando e que impacto ela terá no futuro do Genesis e do setor criptográfico mais amplo.

próximo

Notícias Blockchain, Notícias sobre criptomoedas, Notícias

Benjamin Godfrey é um entusiasta e jornalista de blockchain que adora escrever sobre as aplicações reais da tecnologia blockchain e inovações para impulsionar a aceitação geral e a integração mundial da tecnologia emergente. Seu desejo de educar as pessoas sobre criptomoedas inspira suas contribuições para sites e mídias de blockchain renomados.

Fonte: www.coinspeaker.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta