Ação humana, não ação política: o papel do indivíduo na revolução do Bitcoin

0
268

Este é um editorial de opinião de Michael Matulef, um estudante independente de economia austríaca e membro do Mises Institute.

A iminente eleição presidencial dos EUA acendeu uma centelha de entusiasmo na comunidade Bitcoin, já que várias perspectivas começaram a vocalizar seu apoio ao Bitcoin. O crescente interesse político no Bitcoin culminou no surgimento do chamado “partido laranja”, um movimento caracterizado por entusiastas do Bitcoin transformados em eleitores de uma única questão. Embora o fervor em torno desse desenvolvimento seja compreensível, é crucial avaliar meticulosamente as possíveis ramificações da votação de questão única.

À medida que o Bitcoin continua ganhando força e reconhecimento popular, seus defensores estão ansiosos para ver seus candidatos políticos preferidos ascenderem ao cargo mais alto do país. No entanto, essa ânsia deve ser temperada por uma apreciação sóbria da natureza multifacetada da governança. Embora tentadora em sua simplicidade, a votação de questão única muitas vezes encobre as complexidades da formulação de políticas e a interconexão de diversas questões. A liberdade individual e a liberdade podem ser inadvertidamente ameaçadas se os indivíduos colocarem muita ênfase em uma preocupação solitária.

Embora seja natural que as pessoas sejam apaixonadas por uma causa ou problema específico, especialmente quando se trata de Bitcoin, elevar uma preocupação acima de todas as outras pode ser perigoso para a liberdade individual. Ao priorizar uma única questão, os indivíduos podem inadvertidamente comprometer suas próprias liberdades ou os direitos dos outros. Essa abordagem pode levar à implementação de políticas que restringem as liberdades pessoais e infringem os direitos individuais. Além disso, a política de questão única muitas vezes gera polarização e divisão, minando os esforços para encontrar um terreno comum e compromisso em questões que protegem a liberdade individual.

Insights Filosóficos de Lysander Spooner

A filosofia de Lysander Spooner, um notável pensador do século XIX, oferece informações valiosas sobre o conceito de votação e sua relação com a liberdade. De acordo com Spooner, o direito de voto é um direito inato e natural que não pode ser concedido ou restringido por nenhuma instituição ou estrutura legal. No entanto, ele também reconheceu que a participação no processo político pode ter consequências não intencionais, como o reforço de sistemas opressivos por meio do monopólio do Estado sobre a força e a coerção.

As perspectivas de Spooner sobre o voto como forma de autodefesa continuam a reverberar no discurso político contemporâneo. Em uma época em que muitos indivíduos sentem que seus recursos suados são vulneráveis ​​à exploração por meio de impostos ou outras medidas governamentais, o ato de votar pode ser visto como um ataque preventivo contra o ataque fiscal. No entanto, essa abordagem utilitária da votação não se traduz automaticamente em apoio inequívoco ao aparato governamental ou às suas políticas.

Como Spooner observou astutamente, as linhas entre o consentimento genuíno e a mera autopreservação tornam-se tênues quando os eleitores se envolvem em votações estratégicas motivadas pelo medo e não pela convicção. Assim, a tensão entre a autonomia individual e a governança coletiva continua sendo uma preocupação premente, levando a uma maior exploração de modelos inovadores de tomada de decisão e organização comunitária que priorizem o consentimento autêntico e a solução colaborativa de problemas.

Citando Spooner:

“Na verdade, no caso de pessoas físicas, seu voto efetivo não deve ser tomado como prova de consentimento, mesmo por enquanto. Ao contrário, deve-se considerar que, mesmo sem que seu consentimento tenha sido solicitado, um homem se encontra cercado por um governo ao qual não pode resistir; um governo que o obriga a pagar, prestar serviços e renunciar ao exercício de muitos de seus direitos naturais, sob o risco de pesadas punições. Ele vê, também, que outros homens praticam essa tirania sobre ele pelo uso da cédula. Ele vê ainda que, se ele mesmo usar a cédula, ele tem alguma chance de se livrar dessa tirania dos outros, sujeitando-os à sua. Em suma, ele se encontra, sem seu consentimento, em situação tal que, se usar a cédula, pode se tornar um mestre; se ele não usá-lo, ele deve se tornar um escravo. E ele não tem outra alternativa senão essas duas. Em legítima defesa, ele tenta o primeiro. Seu caso é análogo ao de um homem que foi forçado a uma batalha, onde deve matar outros ou ser morto. Porque, para salvar sua própria vida em batalha, um homem tira a vida de seus oponentes, não se deve inferir que a batalha é uma de sua própria escolha. Nem nas disputas com a cédula – que é um mero substituto para uma bala – porque, como sua única chance de autopreservação, um homem usa uma cédula, deve-se inferir que a disputa é aquela em que ele entrou voluntariamente; que ele voluntariamente estabeleceu todos os seus próprios direitos naturais, como uma aposta contra os dos outros, para serem perdidos ou ganhos pelo mero poder dos números. Ao contrário, deve-se considerar que, em uma situação à qual foi forçado por outros, e na qual nenhum outro meio de legítima defesa foi oferecido, ele, por uma questão de necessidade, usou o único que lhe restava. para ele.

“Sem dúvida, o mais miserável dos homens, sob o governo mais opressivo do mundo, se tivesse permissão para votar, o usaria se pudesse ver alguma chance de melhorar sua condição. Mas não seria, portanto, uma inferência legítima de que o próprio governo, que os esmaga, foi aquele que eles voluntariamente estabeleceram, ou mesmo consentiram”.

Entusiastas de Bitcoin: além dos meios políticos

As intrincadas nuances dos sistemas políticos e suas restrições inerentes representam desafios significativos para os entusiastas do Bitcoin que buscam promover a adoção generalizada. O domínio da força e da coerção do Estado torna os esforços políticos para promover a causa do Bitcoin potencialmente impotentes ou mesmo contraproducentes. Portanto, os Bitcoiners devem adotar uma abordagem mais multifacetada e resiliente.

Em vez de depender apenas de manobras políticas, os defensores do Bitcoin devem concentrar mais suas energias na construção de sistemas paralelos e na promoção de comunidades autônomas que funcionem independentemente do controle do Estado. Os sistemas baseados no consentimento e a desobediência civil generalizada podem servir como um baluarte mais poderoso contra a autoridade do Estado.

Ao criar e participar de estruturas alternativas, podemos aspirar a minar e contornar os poderes políticos tradicionais. Através do apoio e desenvolvimento de redes e comunidades descentralizadas, nos esforçamos para estabelecer um domínio onde os indivíduos possam interagir e trocar valor sem o ônus de intermediários do governo. Essa abordagem não apenas promove a inclusão financeira e a soberania individual, mas também alimenta uma cultura de resistência contra hierarquias opressivas.

O caminho para a liberdade: defendendo um futuro Bitcoin mais brilhante

Em conclusão, a relação em constante evolução entre Bitcoin e política apresenta uma interseção cativante de liberdade individual e governança coletiva. Como a iminente eleição presidencial dos EUA desperta entusiasmo na comunidade Bitcoin, devemos caminhar com cuidado e ponderação, navegando no caminho da liberdade com discernimento.

A ascensão da “festa laranja” é uma prova da crescente importância do Bitcoin, mas é essencial reconhecer as possíveis ramificações da votação de questão única. Para preservar a liberdade individual e promover um futuro financeiro resiliente, devemos transcender o fascínio de soluções simplistas e adotar uma abordagem multifacetada.

Os profundos insights de Spooner nos guiam em nossa busca por consentimento e autonomia genuínos. Embora o voto às vezes possa ser visto como um ato de legítima defesa, não é uma expressão inequívoca de consentimento, especialmente em face de estruturas coercitivas. Para promover um futuro Bitcoin mais brilhante, devemos explorar modelos inovadores de tomada de decisão e organização comunitária que priorizem a autenticidade e a colaboração.

A política promete mudanças, mas coage por meio do poder centralizado. Devemos ir além dessa ilusão e agir fora do sistema. A verdadeira mudança não acontece nas urnas, mas por meio da educação de base, adoção e desenvolvimento de redes descentralizadas.

Vamos nos tornar defensores apaixonados da soberania financeira, educando e capacitando incansavelmente nossas comunidades sobre a promessa emancipatória de nosso sistema de caixa eletrônico ponto a ponto. Por meio de uma divulgação popular persistente, vamos iluminar o potencial transformador do dinheiro sólido descentralizado que não pode ser degradado ou censurado. Devemos explicar pacientemente como ferramentas como o Bitcoin podem permitir que pessoas comuns desistam da manipulação fiduciária e assumam o controle de seus destinos econômicos. Nossos esforços de localização devem se concentrar não apenas na disseminação da adoção, mas também na promoção de um entendimento ativo para que os membros da comunidade possam exercer autonomia financeira como meio de independência e autodeterminação. Equipadas com conhecimento e agência, as redes locais podem desvendar os esquemas de controle social do dinheiro centralizado e desenvolver economias resilientes em seus próprios termos e em seus próprios interesses. Vamos nos tornar campeões zelosos, mas atenciosos, dedicados a liberar as possibilidades libertadoras da soberania financeira. O primeiro passo é a educação e capacitação no nível do solo.

Mais importante ainda, devemos apoiar ardentemente os heróis muitas vezes esquecidos – os desenvolvedores incansavelmente construindo resistência à censura na espinha dorsal tecnológica deste movimento. Nosso apreço deve ir além da boca para fora e se manifestar por meio de ações concretas. Podemos capacitar desenvolvedores doando para projetos proeminentes, fornecendo assim os recursos necessários para fortalecer a antifragilidade de nossa infraestrutura. Também podemos financiar recompensas para incentivar recursos que promovam expressamente a liberdade, a privacidade e a autonomia dos usuários. Para aqueles que podem contribuir com código, devemos atender ao chamado e participar diretamente do desenvolvimento. Até mesmo ajudar com documentação e relatórios de bugs fortalece a rede. Os desenvolvedores são o coração desta missão, trabalhando ingratamente para que milhões possam alcançar a liberdade financeira. Vamos capacitá-los vigorosamente para fortalecer as redes descentralizadas contra a coerção. Nossas contribuições permitem que eles neutralizem vulnerabilidades antes que sejam exploradas para comprometer a liberdade. Uma infraestrutura robusta é a única maneira de resistir às ameaças de poderes centralizados que buscam o controle. Devemos, portanto, fornecer aos desenvolvedores o apoio comum de que precisam para construir uma tecnologia à prova de censura, imparável e resiliente diante de qualquer adversário, garantindo assim autonomia financeira para as próximas gerações.

O progresso não acontece por meio de uma esperança ociosa, mas de um esforço diário de base. Vamos tomar medidas concretas para promover a adoção e capacitar os desenvolvedores. Cada pequena ação nos aproxima da emancipação das estruturas coercitivas. Por meio de um trabalho diligente, podemos construir redes descentralizadas que contornam o controle centralizado. Comunidades voluntárias, fundadas na autonomia financeira, não precisam de autoridades governamentais. A política promete mudanças, mas está atolada em um espetáculo vazio. Devemos ir além – construindo sistemas paralelos que tornam obsoletos os sistemas de coerção.

É assim que tornamos a auto-soberania inevitável. Não pela retórica ou pelo voto, mas pelo trabalho de base. A revolução começa dentro de nossos corações, cabeças e mãos. Nosso trabalho unificado inspirará um futuro onde a liberdade financeira não é um sonho distante, mas uma realidade vivida. Aproximamo-nos cada vez mais cada vez que explicamos pacientemente o Bitcoin, financiamos o desenvolvimento resistente à censura e alimentamos a autonomia da comunidade. Juntos, vamos persistir neste trabalho um dia de cada vez. Nas urnas, a mudança é apenas prometida. Mas nossos esforços podem garanti-lo através da perseverança. O futuro não se lembrará dos políticos, mas daqueles que trabalharam para construir redes descentralizadas em prol da autonomia. Onde os políticos falham, nós teremos sucesso.

Este é um post de convidado por Michael Matulef. As opiniões expressas são inteiramente próprias e não refletem necessariamente as da BTC Inc ou da Bitcoin Magazine.

Fonte: bitcoinmagazine.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here