A escala de cinza busca conter fluxos de saída do GBTC por meio do novo Mini Trust com taxas mais baixas

0
45

Embora a Grayscale não tenha revelado os detalhes específicos da estrutura de taxas do novo fundo, os analistas esperam que seja significativamente inferior às taxas atuais do GBTC.

A Grayscale Investments, gestora do fundo Bitcoin mais antigo e popular, o Grayscale Bitcoin Trust (GBTC), está dando um passo crucial para manter sua posição dominante no crescente mercado de fundos negociados em bolsa (ETFs) Bitcoin. A empresa entrou com um pedido na Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) na terça-feira para lançar o Grayscale Bitcoin Mini Trust, um novo fundo derivado do GBTC, mas com taxas significativamente mais baixas.

De acordo com o documento S-1, o Grayscale Bitcoin Mini Trust será criado através de um processo corporativo conhecido como “Spin-Off”, onde uma empresa existente divide parte de suas operações, ativos e/ou passivos para criar um novo independente. empresa. Isso lhes permitirá transferir parte das atuais participações em bitcoin do GBTC para o novo fundo, dando aos acionistas uma participação no novo fundo.

Além disso, sendo criado como uma cisão, o novo fundo permitiria que os atuais detentores de GBTC diversificassem sua exposição ao Bitcoin sem ter que pagar impostos sobre ganhos de capital, uma consideração importante para muitos investidores de longo prazo.

A escala de cinza visa manter a liderança entre os ETFs de Bitcoin recém-criados

Este movimento surge em resposta à intensa concorrência de ETFs de bitcoin à vista recentemente aprovados, oferecidos por gigantes de Wall Street como BlackRock e Fidelity, que atraíram muitos investidores devido às suas estruturas de taxas mais atraentes.

Embora a Grayscale não tenha revelado os detalhes específicos da estrutura de taxas do novo fundo, os analistas esperam que seja significativamente inferior às taxas atuais do GBTC. Eric Balchunas, analista de ETF da Bloomberg, explicado no Twitter que este movimento da Grayscale é uma tentativa de impedir o êxodo massivo de investidores do GBTC para outros ETFs de bitcoin mais baratos. Ele observou que os atuais investidores do GBTC se sentem “presos” ao pagar as altas taxas anuais de 1,5%, enquanto BlackRock, Fidelity e outros novos ETFs de bitcoin cobram apenas entre 0,2% e 0,3% (20-30 pontos base).

“Para parar o êxodo. Meu palpite é que eles estão realmente ouvindo isso dos investidores do GBTC presos lá, pagando 1,5%, enquanto todos os outros pagam 20-30bps. Esta é uma forma de saciar esses investidores e talvez atrair novos. iShares inventou esse movimento com IEMG vs EEM quando o EEM estava recebendo o Vanguard-ed”, disse Balchunas.

ETFs Bitcoin se tornam os produtos mais cobiçados de Wall Street

Desde que o GBTC foi convertido em um ETF Bitcoin em janeiro, o fundo experimentou saídas líquidas de mais de US$ 10 bilhões ao resgatar mais de 229.000 BTC. Os ETFs BlackRock e Fidelity continuam a chamar a atenção de Wall Street, acumulando um total combinado de 332.000 BTC.

Conforme relatado pela Coinspeaker, o ETF Bitcoin (IBIT) à vista da BlackRock se tornou um dos três principais ETFs nos EUA em entradas em fevereiro. O IBIT registrou entradas de mais de US$ 500 milhões entre 27 e 29 de fevereiro, atingindo um recorde diário de US$ 612 milhões em 28 de fevereiro. Isso elevou seu fluxo total no ano para US$ 7,750 bilhões, tornando-o o terceiro maior ETF em fluxos nos EUA, superado apenas pelo ETF iShares Core S&P 500 (IVV) e pelo ETF Vanguard S&P 500 (VOO).

Portanto, à medida que o cenário dos ETFs de criptomoeda continua a evoluir, estratégias como esta podem ser cruciais para que os gestores de fundos mantenham a sua relevância e competitividade num mercado cada vez mais saturado.

próximo

Fundos e ETFs, Notícias de Mercado, Notícias

Fonte: www.coinspeaker.com

Receba nossas atualizações
Fique por dentro de todas as notícias e novidades do mundo da tecnologia!

Deixe uma resposta